Formação de professores: uma crítica pelo olhar das capacidades humanas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v48.32608

Palavras-chave:

Competências, Capacidades, Formação docente

Resumo

Problematizamos, neste ensaio, a tendência nacional e internacional de esvaziamento do sentido humanizado da educação que tem se materializado na linguagem da aprendizagem, discutindo novas possiblidades para a formação docente a partir do enfoque das capacidades humanas proposto por Martha Nussbaum. Para tanto, realizamos um estudo hermenêutico das seguintes obras publicadas pela autora: Crear Capacidades: propuesta para el desarrollo humano, El cultivo de la humanidade: uma defensa clásica de la reforma em la educación liberal, Sem fins lucrativos: por que a democracia precisa das humanidades. Tendo por base a sua concepção de formação liberal e democrática, apontamos algumas críticas ao modelo de educação como negócio, justificando alguns aspectos do enfoque das capacidades humana para a formação de professores. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Catia Piccolo Viero Devechi, UnB

Professora associada do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, vinculada a Linha de Pesquisa Profissão Docente, Currículo e Avaliação ? PDCA. Graduada em Pedagogia com habilitação em pré-escola pela Universidade Federal de Santa Maria (2001), mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (2004), doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2008). Realizou estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2017) e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo ? UPF. Tem experiência na área de Educação, atuando nos seguintes temas: pesquisa em educação, estudos comparados, formação de professores, ciências da educação e filosofia da educação. É coordenadora do GEFFOP - Grupo de estudos sobre filosofia da educação e formação de professores; vice-coordenadora do REPES: Rede de Estudos e Pesquisas em Educação Superior; e pesquisadora do grupo: ?Formação Cultural, Hermenêutica e Educação", todos cadastrados no diretório de grupos do CNPq. 

Dalbosco, Universidade de Passo Fundo

Possui graduação em Filosofia pela Universidade de Passo Fundo (1990), especialização em Epistemologia das Ciências Sociais pela Universidade de Passo Fundo (1992), mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1996), doutorado em Filosofia pela Universität Kassel - Alemanha (2001), pós-doutorado pelo Núcleo Direito e Democracia (NDD) do CEBRAP (2013). Professor titular da Universidade de Passo Fundo, atuando no curso de Filosofia e no PPG em Educação e pesquisador do CNPq. Orienta em mestrado e doutorado. Tem experiência na área de Filosofia, Filosofia da Educação, Teorias do Conhecimento e Teorias Educacionais . Eixos temáticos de investigação: Iluminismo e pedagogia, com ênfase em Rousseau e Kant; formação humana, cuidado de si, reconhecimento e pensamento pós-humanista, com ênfase em pensadores contemporâneos como Martin Heidegger, Michel Foucault e Axel Honneth. Conceitos nucleares: ação humana, ação pedagógica, formação humana, formação pedagógica, reconhecimento, educação natural, liberdade moral e maioridade. Possui publicados vários livros, capítulo de livros e artigos em periódicos nacionais e internacionais, com destaque para: Kant & A Educação (2011); Educação natural em Rousseau: das necessidade da criança e dos cuidados do adulto (2011); Die sprachliche Kosntitution des Selbst (Self) und die pädagogische Handlung (2014); Condição humana e educação do amor próprio em Rousseau (2016);Uma leitura não-tradicional de Johann Friedrich Herbart: Autogoverno pedagógico e posição ativa do educando (2018); Conditio humana und tugendhafte Willensbildung: Untiefen der Anerkennung bei Rousseau und Honneth (2018); John Dewey como leitor de Jean-Jacques Rousseau: o problema da formação das capacidades humanas (2019).

Referências

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 1, de 18 de Fevereiro de 2002. Conselho Nacional de Educação. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 8, 4 mar. 2002.

BRASIL. Resolução CNE/CP 2 de 20 de Dezembro de 2019. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 46-49, 15 abr. 2020.

BIESTA, G. Para além da aprendizagem. Educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2021.

BRANDT, R. Wozu noch Universitäten? Hamburg: Meiner, 2011.

DALBOSCO, Cláudio Almir. Educação e condição humana na sociedade atual: Formação humana, formas de reconhecimento e intersubjetividade de grupo. Curitiba: Appris, 2021.

DEWEY, J. Como pensamos. São Paulo: Editora Nacional, 1979.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A epistemologia da experiência na formação de professores: primeiras aproximações. In: Revista Brasileira de Pesquisa sobre formação docente. Belo Horizonte, v. 2, n. 2, jan/jul, 2010.

HABERMAS, J. Verdade e Justificação: ensaios filosóficos. São Paulo: Loyola, 2004.

HAMMERSLEY, M. Algumas questões sobre a prática baseada em evidências na educação. In: THOMAS, Gary; PRING, Richard. Educação baseada em evidências: a utilização dos achados científicos para a qualificação da prática pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2007.

KOCH, L. Kompetenz: Konstrukt zwischen Defizit und Anmassung. In: Vierteljahrschrift für wissenschaftliche Pädagogik, H. 1/2010, S. 223-331.

LENZEN, D. Bildung statt Bologna! Berlin: Ullstein, 2014.

LIESSMANN, K. P. Geisterstunde. Die Praxis der Unbildung. Eine Streitschrift. Wien: Paul Zsolnay, 2011.

NÓVOA, António. “A metamorfose da escola”, Revista Militar. v. 72, n. 1, pp. 33-42, 2020.

NUSSBAUM, M. Crear Capacidades: propuesta para el desarrollo humano. Barcelona: Paidós, 2012.

NUSSBAUM, M. El cultivo de la humanidade: uma defensa clásica de la reforma em la educación liberal. Barcelona: Paidós, 2005.

NUSSBAUM, M. Sem fins lucrativos: por que a democracia precisa das humanidades. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

PARLAMENTO EUROPEU. Conselho da União Europeia. Recomendação do Parlamento Europeu e do Conselho relativa à instituição do Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida de 23 de Abril de 2008.

PEREIRA, R. F. Das perguntas wittgensteinianas à pedagogia das competências: ou desmontando a caixa-preta de Perrenoud. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 229- 242, jan./mar. 2015.

PERRENOUD, P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SHULMAN, L. Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernoscenpec: São Paulo, v.4, n.2, dez. 2014.

STEDEROTH. D. Formação ajustada: sobre a capitalização do humano na formação e sua administração total. In: DALBOSCO, C. A.; MÜHL, E. H.; FLICKINGER, H.-G. (org.). Formação humana (Bildung): Despedida ou Renascimento? São Paulo: Cortez Editora, 2019.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis. Vozes, 2002.

Downloads

Publicado

20-12-2023

Como Citar

DEVECHI, C. P. V.; DALBOSCO, C. A. Formação de professores: uma crítica pelo olhar das capacidades humanas. Roteiro, [S. l.], v. 48, p. e32608, 2023. DOI: 10.18593/r.v48.32608. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/32608. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.