A didática como lugar de futuros possíveis: do ensino remoto ao pós-pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v47.30185

Palavras-chave:

Didática, Ensino Remoto Emergencial, Licenciatura, Formação docente

Resumo

Como campo investigativo das mediações que tornam o ensino uma prática formativa situada nos contextos histórico e social, a Didática opera um provocativo convite à sistematização de reflexões em torno do Ensino Remoto Emergencial (ERE) no período da pandemia do SARS-CoV-19. Nessa direção, o objetivo deste artigo é, particularmente, refletir sobre o ensino de Didática no contexto de transição pós-pandemia com base em pesquisa realizada sobre a experiência de aprendizagem de discentes dessa disciplina durante o ERE. A pesquisa assumiu abordagem quanti-qualitativa e utilizou questionário online para a coleta de informações junto a 101 estudantes de licenciaturas em universidades públicas situadas na região nordeste. Os dados relativos aos processos de interação e mediação do ensino remoto emergencial de Didática apontam que, segundo os/as estudantes, as/os docentes encontraram dificuldades para mobilizar o uso das tecnologias da informação, mas também empreenderam esforços e dedicação no contexto de ERE. Identificou-se que, mesmo conectados por diversas plataformas, as/os estudantes reconhecem as lacunas nas relações interpessoais com seus/suas pares e docentes. Por outro lado, informações sobre metodologias de ensino utilizadas por docentes denotam que a condução da disciplina deu-se mediante um processo colaborativo. Na transição pós-pandemia, parece fundamental recuperar essas experiências para prospectar caminhos que reforcem a importância das relações interpessoais na construção do conhecimento, a mediação ativa e intencional da/a docente com uso de tecnologias, sem suprimir-se por elas, e o reconhecimento da aprendizagem como processo sobre o qual incidem determinantes psicossociais complexos, os quais devem considerados no planejamento contextualizado do ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jose Leonardo Rolim de Lima Severo, Universidade Federal da Paraíba

Doutor e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), com estágios doutorais na FEUSP e na UNED, em Madrid - Espanha. Licenciado em Pedagogia pela Universidade Federal de Campina Grande. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Teoria da Pedagogia, Desenvolvimento Curricular e Didática, Educação Integral, Pedagogia do Ensino Superior e Educação Não Escolar. É Professor Adjunto em regime de dedicação exclusiva no Departamento de Habilitações Pedagógicas e do Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Educação na Universidade Federal da Paraíba, onde lidera o Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia, Trabalho Educativo e Sociedade (GEPPTES-UFPB). E-mail: leonardosevero@ce.ufpb.br

Cristina Maria D'Ávila Teixeira, Universidade Federal da Bahia

Graduada em Pedagogia, possui Mestrado em Educação e Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia em 2001. É pós-doutora pela Universidade de Montréal, Quebec, Canadá, na área de Didática (2006-2007). É Pós-doutora pela Universidade Sorbonne, Paris-Descartes, França (2015-2016), com concentração em docência universitária. Atualmente é professora Titular de Didática da Universidade Federal da Bahia. É pesquisadora do grupo GREAS-CEAQ (Sorbonne, Paris-Descartes). Publicou oito livros, na área educacional, organizou dois dossiês nas Revistas Educação e contemporaneidade, um dossiê na Revista do GEPEL, e um na Revista Entreideias, totalizando quatro dossiês. Escreveu três livros de literatura infantil , e um livro de poemas que se encontra em 2ª edição. Publicou mais de 20 artigos em periódicos especializados e vários trabalhos em anais de eventos. Possui 3 processos ou técnicas e outros 24 itens de produção técnica. Participou de mais de 100 eventos no exterior e no Brasil. Orientou mais de 30 dissertações de mestrado na área de Educação. Orientou mais de 20 teses de doutorado e várias monografias em curso de especialização e na graduação. Atualmente coordena 2 projetos de pesquisa sobre formação de docentes universitários nos ateliês didáticos e Baú brincante. Atua na área da Didática, Docência no ensino superior, formação de professores e ludicidade. Coordena o Grupo de Estudos e pesquisas em Educação, didática e Ludicidade (GEPEL), pelo Programa de pós-graduação em Educação da UFBA. Em suas atividades profissionais interagiu com mais de 20 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Em seu currículo Lattes os termos mais frequentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Prática pedagógica, Mediação docente, Formação de professores, Docência na educação superior, livro didático, formação continuada, Tecnologias da informação e da comunicação, Educação à distância e Material didático.

Aline Daiane Nunes Mascarenhas, Universidade Estadual da Bahia

Possui graduação em Licenciatura Em Pedagogia (UEFS, 2006), Especialização em Educação Especial (UEFS, 2008), Mestre pela Universidade Federal da Bahia (2011) e Doutorado pela UFBA (2015). Atualmente é docente na Universidade Estadual da Bahia, Campus V no colegiado de História. Atua principalmente nos seguintes temas: Educação em Direitos Humanos, Didática e formação de professores; escolarização em enfermarias pediátricas e Educação Inclusiva. Coordenadora do Núcleo Docente Estruturante do Curso de História, Campus V/UNEB. Pesquisadora no projeto Interlocuções entre Educação em Direitos Humanos, Currículo e Formação de Professores, parceria interinstitucional UFPE/UNEB.

Referências

ALVAREZ MÉNDEZ, Juan Manuel. Entender la didáctica, entender el curriculum. Madrid: Miño y Dávila, 2001.

ANDIPE. Ensino de didática na modalidade online: desafios e prospecções no contexto da pandemia pela COVID-19. Disponível em: https://www.andipe.com.br/pesquisa-1. Acesso em: 07/04/22).

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União (DOU nº 247, 23.12.2019, Seção 1, p.115).

COIRO, J. et al. Central issues in new literacies and new literacies research. In: COIRO, J. et al. (Ed.). The handbook of research on new literacies. Mahwah: Erlbaum, 2008. p. 1-21.

CRESWELL, J. W. Qualitative Inquiry and Research Design: Choosing Among Five Approaches. Thousand Oaks, CA: Sage, 2012.

D’ÁVILA, C. Universidade e formação de professores: Qual o peso da formação inicial sobre a construção da identidade profissional docente? In: HETKOWSKI, Tânia; NASCIMENTO, Antonio. Memória e formação de professores. Salvador: EDUFBA, 2007, pp. 219-240.

D’ÁVILA, C.; ZEN, G.; GUERRA, D. Formação espectral: do pensamento complexo ao raciovitalismo na formação de professores universitários. Revista Polyphonía , Goiânia, v. 31, n. 1, p. 245–263, 2020. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/sv/article/view/66941. Acesso em: 9 jun. 2022. DOI: https://doi.org/10.5216/rp.v31i1.66941

FERSTER, B. Teachinh machines: learning from the intersection of education and technology. Baltimore: John Hopkins University Press, 2014.

FRANCO, M. A. S.; PIMENTA, S. G. Didática multidimensional: por uma sistematização conceitual. Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, n. 135, p. 539-553, abr./jun. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/9KvRMpt5MSQJpB5pqYKfnyp/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 21 de abril de 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302016136048

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 24. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GROS, B.; KINSHUK; MAINA, M. (eds.). The future of ubiquitous learning: learning designs for emerging pedagogies. Heidelberg: Springer, 2016. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-662-47724-3

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 2006.

LÓPEZ, J. M. T. ALONSO, R. S. Teoría de la educación, metodología y focalizacionees. La mirada pedagógica. Oleiros (La Coruña): Netbiblo, S. L., 2012.

MARCON, D. Conhecimento pedagógico do conteúdo: integração dos conhecimentos do professor para viabilizar a aprendizagem dos alunos. Caxias do Sul: EDUCS, 2013.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MARIN, A. J. A disciplina Didática na formação de professores. In: D’ÁVILA. C; MARIN, A. J; FRANCO, M. A. S; FERREIRA, L. G. (Org.). Didática: saberes estruturantes e formação de professores. Salvador: EDUFBA, 2019, p. 17-31.

MASCARENHAS, A. D. N.; FRANCO, M. A. S. Esvaziamento da Didática e da Pedagogia na (nova) BNCC de Formação Inicial. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 19, n. 3., p. 1014-1035, jul./set. 2021. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/52423/37765. Acesso em: 1 out. 2021. DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2021v19i3p1014-1035

NÓVOA, A.; ALVIM, Y. C. Os professores depois da pandemia. Educ. Soc., Campinas, v. 42, p. 1-16, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/mvX3xShv5C7dsMtLKTS75PB/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 04 de abril de 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/es.249236

PIMENTA, S. G. Para uma ressignificação da didática. In: PIMENTA, S. G. Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez Editora, 2011, p. 15-23.

PIMENTA, Selma Garrido. As ondas críticas da didática em movimento: resistência ao tecnicismo/neotecnicismo neoliberal. In: SILVA, Marco; NASCIMENTO, Orlando Costa do; ZEN, Giovana Cristina. Didática: abordagens teóricas contemporâneas. Salvador: EDUFBA, 2019. p. 19-64.

SCHULMAN, L S. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, Cambridge, v. 57, 1987. DOI: https://doi.org/10.17763/haer.57.1.j463w79r56455411

SEVERO, J. L. R. de L. Pedagogia da ruptura: ocupando as margens do ensino remoto para dinamização didático-curricular. Revista Espaço do Currículo, v. 14, n. 1, p. 1–10, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.56411. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rec/article/view/56411. Acesso em: 7 jun. 2022. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.56411

SEVERO, J. L. R. L.; PIMENTA, S. G. Versões do campo da Didática na Base Nacional Comum da Formação Docente no Brasil. Série-Estudos, v. 25, n. 55, p. 117-131, set/dez. 2020. Disponível em: https://www.serie-estudos.ucdb.br/serie-estudos/article/view/1479/1118 Acesso em: 21 de abril de 2022.

Downloads

Publicado

28-07-2022

Como Citar

SEVERO, J. L. R. de L.; TEIXEIRA, C. M. D.; MASCARENHAS, A. D. N. A didática como lugar de futuros possíveis: do ensino remoto ao pós-pandemia. Roteiro, [S. l.], v. 47, p. e30185, 2022. DOI: 10.18593/r.v47.30185. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/30185. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Seção temática: O ensino da didática na formação de professores