Arte, estética e diálogo na Educação Infantil: registros invisibilizados e sentidos (des)sensibilizados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v43i3.16481

Palavras-chave:

Políticas públicas, Educação Infantil, Formação, Arte

Resumo

A Educação Infantil tem participação relevante na história dos 40 anos da educação pública do Rio de Janeiro. Neste estudo teve-se como objetivo geral refletir sobre práticas recorrentes nas instituições de ensino que atendem a esse segmento e que acabam por gerar tensões entre os profissionais que lá atuam. A proposta é apontar e discutir as discrepâncias existentes entre os documentos oficiais e o que é praticado no cotidiano das escolas de educação infantil na perspectiva da formação docente, dos registros utilizados como instrumentos de avaliação e do diálogo estabelecido com a arte, num movimento de pesquisa formação-ação em que o docente é protagonista da pesquisa, refletindo sobre o que acontece em sua prática e questionando a realidade na qual está inserido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michelle Dantas Ferreira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Secretaria Municipal de Educação (SME)

Professora da Rede Pública Municipal de Ensino do Rio de Janeiro desde 2002 e Diretora Adjunta de um Centro Integrado de Educação Pública (CIEP) há 4 anos. Pesquisadora do Grupo FRESTAS de Pesquisa vinculado ao Núcleo Infância, Natureza e Arte pertencente à Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) desde 2013.

Adrianne Ogêda Guedes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Psicóloga e Pedagoga, graduada em 1990 pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (Psicologia) e pela Universidade Cândido Mendes em 2009 (Pedagogia). Especializou-se em Alfabetização na UFRJ (1992), em Educação Infantil na PUC (1997) e em Docência do Ensino Superior na UNIRIO (1999). Fez seu mestrado (2002) e doutorado (2008) em Educação pela Universidade Federal Fluminense, pesquisando as interfaces entre as trajetórias docentes, as políticas de formação de professores e os dilemas da prática. Trabalhou nos últimos 20 anos como professora e coordenadora em Instituições de Educação Infantil, Ensino Fundamental, cursos de graduação de Pedagogia e Especialização em Educação Infantil e Literatura Infanto-Juvenil, bem como em cursos de extensão e programas de formação docente. Atuou também em programas de Educação à Distância, como o CEDERJ e o PROINFANTIL. Trabalhou no Centro de Estudos do Pessoal como Professora Adjunta. Atualmente é Professora Adjunta na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. É pesquisadora dos grupos FIAR (FIAR - Círculo de estudo e pesquisa formação de professores, infância e arte) coordenado pela professora Luciana Ostetto, GiTaKa ? Grupo de Pesquisa Infâncias, Tradições Ancestrais e Cultura Ambiental coordenado pela professora Léa Tiriba e coordenadora do FRESTAS - Formação e ressignificação do educador, saberes, troca, arte e sentidos.

Referências

ALVES, B. M. F. Infâncias e educação infantil: aspectos históricos, legais e pedagógicos. Aleph, v. 16, p. 3, 2011.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 1996.

BRASIL. Lei n. 11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamente a alínea “e” do Inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 jul. 2008.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 04 de abril de 2013. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 05 abr. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CEB n. 18, de 02 de outubro de 2012. Trata da implementação da Lei n. 11.738 de 2008, que institui o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 01 ago. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2010.

BRASIL. Resoluções CEB 2009. 2009. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/escola-de-gestores-da-educacao-basica/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/13684-resolucoes-ceb-2009>. Acesso em: 27 jan. 2018.

CUNHA, S. R. V. Pintando, bordando, rasgando, desenhando e melecando na educação infantil. In: CUNHA, S. R. V. (Org.). Cor, som e movimento. Porto Alegre: Mediação, 1999. p. 7-36.

DUARTE JÚNIOR, J. F. A montanha e o vídeo-game: escritos sobre a educação. São Paulo: Papirus, 2010.

DUARTE JÚNIOR, J. F. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

EISNER, E. E. O que pode a educação aprender das artes sobre a prática da educação? Currículo sem Fronteiras, v. 8, n. 2, p. 5-17, jul./dez. 2008. Disponível em: <http://www.curriculosemfronteiras.org/vol8iss2articles/eisner.pdf>. Acesso em: 27 jan. 2018.

FERREIRA, L. H. (Org.). Arte de olhar: percursos em educação. São Paulo: Ilion, 2011.

FERREIRA, L. H. (Org.). Educação estética e prática docente: exercício de sensibilidade e formação. Tese (Doutorado – Faculdade de Educação)–Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. 2014.

FERREIRA, L. H.; PRADO, G. V. T.; ARAGÃO, A. M. F. A formação do professor por suas narrativas: desafios da docência. Revista Hipótese, Itapetininga, v. 1, n. 4, p. 204-227, 2015.

HOLM, A. M. Baby - Art: os primeiros passos com a arte. São Paulo: Museu de Arte Moderna de São Paulo, 2007.

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

LARROSA, J. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

LONGAREZZI, A. M. Pesquisa-formação: um olhar para a sua constituição conceitual e política. Revista Contrapontos, v. 13, n. 3, p. 214-225, set./dez. 2013.

NUNES, M. F.; CORSINO, P. Políticas públicas universalistas e residualistas: os desafios da educação infantil. In: ROCHA, E. A. C.; KRAMER, S. (Org.). Educação Infantil: enfoques em diálogo. Campinas: Papirus, 2013.

OSTETTO, L. E. Educação infantil e arte: sentidos e práticas possíveis. Caderno de Formação: formação de professores educação infantil princípios e fundamentos. Acervo digital Unesp, v. 3, p. 27-39, mar. 2011. Disponível em: <http://www.acervodigital.unesp.br/handle/123456789/320>. Acesso em: 20 jan. 2018.

OSTETTO, L. E. Observação, registro, documentação: nomear e significar as experiências. In: OSTETTO, L. E. (Org.). Educação Infantil: saberes e fazeres da formação de professores. Campinas: Papirus, 2012.

OSTETTO, L. E. Danças Circulares na formação de professores: a inteireza de ser na roda. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2014.

PERISSÉ, G. Estética & Educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014. Coleção Temas & Educação.

PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Educação – SME: Educação em números. 2018. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/web/sme/educacao-em-numeros>. Acesso em: 28 jan. 2018.

RINALDI, C. Diálogos com Reggio Emilia: escutar, investigar e aprender. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

SANTO, A. M. O. Qualidade de ensino em duas escolas da Rede Municipal do Rio de Janeiro: o que produz a diferença? Dissertação (Mestrado em Educação)–Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

SOARES, M. L. P. Educação Estética: investigando possibilidades a partir de um grupo de professoras. Dissertação (Mestrado em Educação)–Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2008.

SOUZA, E. C. História de vida e práticas de formação: escrita de si e cotidiano escolar. In: SOUZA, E. C. (Org.). Histórias de Vida e Formação de Professores. MEC/SEED, 2007. p. 3-7. Boletim Salto para o Futuro. Disponível em: <http://cdnbi.tvescola.org.br/resources/VMSResources/contents/document/publicationsSeries/104711Historias2.pdf>. Acesso em: 28 jan. 2018.

TRIERWEILLER, P. C. Repertórios artístico-culturais de professores da educação infantil: discursos e sentidos estéticos. In: ROCHA, E. A. C.; KRAMER, S. (Org.). Educação Infantil: enfoques em diálogo. Campinas: Papirus, 2013.

Downloads

Publicado

19-12-2018

Como Citar

FERREIRA, M. D.; GUEDES, A. O. Arte, estética e diálogo na Educação Infantil: registros invisibilizados e sentidos (des)sensibilizados. Roteiro, [S. l.], v. 43, n. 3, p. 1051–1070, 2018. DOI: 10.18593/r.v43i3.16481. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/16481. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.