Perspectiva dos estudantes sobre o ensino de didática no modo remoto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v47.30270

Palavras-chave:

Didática, Prática Pedagógica, Ensino remoto emergencial, Tecnologias Digitais

Resumo

Trata-se de uma pesquisa realizada na região Norte e é parte de um estudo desenvolvido em âmbito nacional, em todas as regiões do Brasil, em universidades públicas federais e estaduais. Tem

como objetivo analisar, na perspectiva dos estudantes dos cursos de licenciatura, o ensino de Didática de modo remoto emergencial em tempos de pandemia, identificando os desafios e as potencialidades vividas face ao uso das tecnologias digitais. A pesquisa é de natureza quanti-qualitativa e de abordagem empírica. Considerando o contexto sanitário, para a coleta de dados utilizou como instrumento questionário on-line, produzidos na plataforma google forms e enviados para os estudantes que cursaram o componente curricular de Didática no modo remoto emergencial. A base teórica e analítica situa-se no campo da Didática crítica na perspectiva da totalidade concreta e está organizada em cinco eixos: Perfil dos estudantes; Condições de acesso e uso de tecnologias; Tecnologias e ensino de Didática; Desafios e possibilidades nos processos de interação e mediação do ensino remoto emergencial de Didática, e Relevância, conteúdos e especificidades do ensino de Didática. Os resultados indicam que a despeito de todos os esforços institucionais, as condições objetivas e subjetivas dos estudantes para participação nas atividades pedagógicas do ensino remoto foram precárias; para a maioria o ensino remoto desencadeou a exaustão ao tentarem conciliar as atividades domésticas, acadêmicas e profissionais, e, unanimemente consideraram a utilização das tecnologias digitais muito importantes para o desenvolvimento de práticas pedagógicas de qualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa (Coleção Leitura). São Paulo: Paz e Terra. 1996.

FRIGOTTO, G. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In: Fazenda, I. (org.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 1991.

GATTI, B. A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. 3. ed. Brasília: Líber Livro Editora, 2001.

LIBÂNEO. J. C. Ensinar e aprender, aprender e ensinar: o lugar da teoria e da prática em didática. In: LIBÂNEO, J. C.; ALVES, N. (org.). Temas de Pedagogia: diálogos entre didática e currículo. SP: Cortez, 2012. p. 35-60.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed. 6. reimpr. São Paulo: Atlas, 2011.

MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos e outros textos escolhidos. Tradução de José Carlos Bruni et al. 2. ed. São Paulo: Abril, 1978.

PAULO NETTO, J. Introdução ao método na teoria social. In: CFESS; ABEPSS. Serviço social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS; ABEPSS, 2009. p. 667-700.

PIMENTA, S. G. Panorama atual da didática no quadro das ciências da educação: educação, pedagogia e didática. In: ______ (org.). Pedagogia, ciência da educação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

PIMENTA, S.G. Entrevista. Revista Eletrônica pesquisaeduca. Santos, v. 3, n. 5. 2011.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica, quadragésimo ano: novas aproximações. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2021.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 9. ed. São Paulo: Autores Associados, 2005.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 10. ed. São Paulo: Cortez, 1991.

SAVIANI, D. Perspectiva marxiana do problema: subjetividade-intersubjetividade. In: DUARTE, Newton (org.). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004. p. 21-52.

SAVIANI, D.; GALVÃO, A. C. “Educação na Pandemia: a falácia do ´ensino´ remoto”. Universidade e Sociedade ANDES-SN, ano XXXI, jan., 2021.

SPIEGEL, M. R. Estatística. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1976.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

UFAC. Resolução Consu nº 11, de 26 de agosto de 2020. Dispõe sobre a oferta de disciplinas por meio do Ensino Remoto Emergencial (ERE), em caráter excepcional e temporário, nos cursos de graduação presenciais da universidade Federal do Acre, enquanto perdurar a suspensão das aulas presenciais.

Downloads

Publicado

27-07-2022

Como Citar

CABRAL, G. G.; FARIA, L. R. A. de. Perspectiva dos estudantes sobre o ensino de didática no modo remoto. Roteiro, [S. l.], v. 47, p. e30270, 2022. DOI: 10.18593/r.v47.30270. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/30270. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Seção temática: O ensino da didática na formação de professores