Desenvolvimento da Teoria Histórico-Cultural da Atividade em três gerações: Vygotsky, Leontiev e Engeström

Autores

  • Adriane Cenci Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Magda Floriana Damiani Universidade Federal de Pelotas - UFPel

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v43i3.16594

Palavras-chave:

Vygotsky, Leontiev, Engeström, Teoria Histórico-Cultural da Atividade

Resumo

A Teoria Histórico-Cultural da Atividade é uma teoria viva, que vem sendo desenvolvida desde os anos 1920 e 1930, a qual busca entender a formação do humano na atividade social. A Teoria vem se transformando pari passu com as mudanças nos contextos culturais das investigações teóricas e práticas que a utilizam, apresentando, assim, mudanças e continuidade das ideias ao longo de seu desenvolvimento. Nesse sentido, alguns estudiosos definem três gerações da Teoria, cada uma representada por um expoente na área da pesquisa: a primeira por Vygotsky (fundador), a segunda por Leontiev e a terceira por Engeström. O objetivo neste artigo é apresentar as propostas teóricas dos três autores, delineando as relações entre elas e oferecendo um panorama da Teoria Histórico-Cultural da Atividade. O conceito de atividade, que em Vygotsky aparece como atividade mediada (mediada por signos e ferramentas), em Leontiev aparece como atividade coletiva, base da consciência humana, e em Engeström aparece como sistema de atividade em transformação. A produção e a expansão da Teoria podem ser entendidas como atividades históricas e coletivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriane Cenci, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora Adjunta do Departamento de Fundamentos e Políticas da Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN.

Licenciada em Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM.  Especialista em Gestão Educacional pela UFSM. Mestre em Educação pela UFSM. Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pelotas - UFPel.

Magda Floriana Damiani, Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Professora titular aposentada da Faculdade de Educação/ Universidade Federal de Pelotas (RS)

Graduada em Psicologia pela Universidade Católica de Pelotas, Mestre em Psicologia Educacional e Doutora em Educação, ambos no Institute of Education da Universidade de Londres/Inglaterra.

Referências

ASBAHR, F. S. F. "Por que aprender isso, professora?" Sentido pessoal e atividade de estudo na Psicologia Histórico-Cultural. São Paulo: Unesp digital, 2017.

CENCI, A. “Inclusão é utopia”: possibilidades e limites para a inclusão nos anos finais do ensino fundamental – intervenção e interpretação a partir da Teoria Histórico-Cultural da Atividade. 2016. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2016.

DANIELS, H. Vygotsky e a pesquisa. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

DAVIDOV, V. V. Tipos de generalización en la enseñanza. Havana: Pueblo y Educación, 1982.

DUARTE, N. Vigotski e a Pedagogia Histórico-Crítica: a questão do desenvolvimento psíquico. Presidente Prudente: Nuances, v. 24, 2013.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. 1876. Disponível em: <http://forumeja.org.br/sites/forumeja.org.br/files/F_ANGELS.pdf>. Acesso em: 03 jul. 12.

ENGESTRÖM, Y. Activity theory and individual and social transformation. In: ENGESTRÖM, Y.; MIETTINEN, R.; PUNAMÄKI, R. Perspectives on Activity Theory. United States of America: Cambridge University Press, 1999.

ENGESTRÖM, Y. Activity theory and learning at work. In: MALLOCH, M. et al. (Ed.). The sage handbook of workplace learning. Los Angeles: Sage, 2010.

ENGESTRÖM, Y. Aprendizagem por expansão na prática: em busca de uma reconceituação a partir da teoria da atividade. Tradução D. Vilas Boas e M. Damiani. In: Cadernos de Educação. Pelotas: Ed. UFPel, 2002.

ENGESTRÖM, Y. A teoria da atividade histórico-cultural e suas contribuições à educação, saúde e comunicação. Entrevista concedida a M. Lemos, M. A. Pereira-Queirol e I. M. Almeida. Interface: comunicação, saúde e educação, Botucatu, v. 17, n. 47, 2013.

ENGESTRÖM, Y. From design experiments to formative interventions. Theory & Psychology, v. 21, n. 5, 2011.

ENGESTRÖM, Y. From learning environments and implementation to activity systems and expansive learning. In: Actio: An International Journal of Human Activity Theory. 2009.

ENGESTRÖM, Y. Learning by expanding: an activity-theoretical approach to developmental research. Helsinki: Orienta-Konsultit, 1987.

ENGESTRÖM, Y.; MIETTINEN, R. Introduction. In: ENGESTRÖM, Y.; MIETTINEN, R.; PUNAMÄKI, R. (Ed.). Perspectives on Activity Theory. United States of America: Cambridge University Press, 1999.

ENGESTRÖM, Y.; SANNINO, A. An interview with Yrjö Engeström and Annalisa Sannino on activity theory. Entrevista concedida a J. Ploettner e E. Tresseras. Bellaterra Journal of Teaching & Learning Language & Literature, v. 9, n. 4, 2016.

ENGESTRÖM, Y. Putting Vygotsky to work: the Change Laboratory as an application of double stimulation. In: DANIELS, H.; COLE, M.; WERTSCH, J. V. (Org.) The Cambridge Companion to Vygotsky. New York: Cambridge University Press, 2007.

ENGESTRÖM, Y.; SANNINO, A. Discursive manifestations of contradictions in organizational change efforts. Journal of Organizational Change Management, v. 24, 2011.

ENGESTRÖM, Y.; SANNINO, A. Studies of expansive learning: foundations, findings and future challenges. Educational Research Review, 2010.

KAPTELININ, V. The object of activity: making sense of the sense-maker. In: Mind, culture and activity. 2005.

KOZULIN, A. O conceito de atividade na psicologia soviética: Vygotsky, seus discípulos, seus críticos. In: DANIELS, H. (Org.). Uma introdução a Vygotsky. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

LEONTIEV, A. N. Actividad, conciencia, personalidad. Havana: Editorial Pueblo y Educación, 1983.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LIBERALI, F. C. Formação crítica de educadores: questões fundamentais. 2ª edição. Campinas: Pontes, 2012.

MAGALHÃES, M. C. Intervention Research in a Public Elementary School: a critical-collaborative teacher education project on reading and writing. Copenhagen: Outlines, 2016.

MARSIGLIA, A. C. G. (Org.). Pedagogia Histórico-Crítica: 30 anos. Campinas: Autores Associados, 2011.

MARX, K. O capital: crítica da economia política: Livro I. 21. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011.

MOURA, M. O. (Org.) A Atividade Pedagógica na Teoria Histórico-Cultural. Brasília, DF: Liber Livro, 2010.

PICCOLO, G. M. Historicizando a teoria da atividade: do embate ao debate. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte: ABRAPSO, n. 24, 2012.

PRESTES, Z. R. Quando não é quase a mesma coisa: análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil – repercussões educacionais. 2010. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2010.

SANNINO, A.; ENGESTRÖM, Y.; LEMOS, M. Formative interventions for expansive learning and transformative agency. Journal of Learning Sciences, v. 25, n. 4, 2016.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1992.

SFORNI, M. S. F. Aprendizagem conceitual e organização do ensino: contribuições da Teoria da Atividade. Araraquara: JM Editora, 2004.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas – Tomo II: Pensamiento y Lenguaje. Madrid: Visor, 1993.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas – Tomo III: Problemas del desarrollo de la psique. Madrid: Visor, 1995.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas – Tomo IV: Psicología Infantil. 2. ed. Madrid: Visor, 2006.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas – Tomo V: Fundamentos de defectología. Madrid: Visor, 1997.

VYGOTSKY, L. S. Teoria e método em psicologia. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

Downloads

Publicado

19-12-2018

Como Citar

CENCI, A.; DAMIANI, M. F. Desenvolvimento da Teoria Histórico-Cultural da Atividade em três gerações: Vygotsky, Leontiev e Engeström. Roteiro, [S. l.], v. 43, n. 3, p. 919–948, 2018. DOI: 10.18593/r.v43i3.16594. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/16594. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua