Sombras de violência: premissas ocultas em epistemologias

Autores

  • Roque Strieder Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Clenio Lago Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v43i2.15734

Palavras-chave:

Educação, Epistemologia, Violência, Experiências formativas

Resumo

Existe algo desconcertante na trajetória humana, pois mesmo desejando o bem e a felicidade, toleramos e conservamos atitudes de violência. Historicamente a violência gerou graus significativos de dor e sofrimento. Em sua breve história, o ser humano foi e é capaz das mais terríveis atrocidades e deixa expresso, nessa história, um rastro indelével de maldade e sofrimento. O ser humano contemporâneo, no seio da civilização, vive cercado de ambiguidades, paradoxos e desigualdades que expressam e renovam formas de violência. Reencontramo-nos com horrores, angústias e desesperanças de antes e as elasticamos para o amanhã. Diante desses cenários, radicados em violências de múltiplos matizes, o horizonte do trabalho é lançar luzes refletindo sobre a epistemologia em meio às emergências de diferentes emocionalidades e racionalidades. Assim, diante das inflexões da complexidade da condição humana, perguntamos: como violência e epistemologia estão articuladas e como uma dimensão epistemológica pode constituir-se para além de ser expressão violenta e da violência? Acenam-se com diferentes possibilidades de refletir, discutir e lidar com uma das inglórias faces da dimensão humana: a capacidade de exercitar e exercitar-se em violência no âmbito do conhecer. Concluímos que a profanação das epistemologias que fazem pervagar violências, para restaurar um ser humano qualquer, sem essência ou destino a galgar, numa comunidade que vem, vacilante entre a singularidade e o universal, é uma tarefa da formação que vem, ancorada em um conhecer para além da fragmentação e dos mecanismos sistemáticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roque Strieder, Universidade do Oeste de Santa Catarina

 Doutor em Educação pela Unimep de Piracicaba SP. Professor e  Pesquisador do junto ao programa de Mestrado em Educação Unoesc/JBA/SC 

Clenio Lago, Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC

Doutor em educação pela PUC/RS e Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNOESC - Mestrado em Educação – Linha de pesquisa Processos Educativos – Grupo de Estudos e Pesquisas em Filosofia e Educação (GEPeFE)

Referências

A GLOBALIZAÇÃO da indiferença nos tirou a capacidade de chorar. O discurso de Francisco em Lampedusa. Institutos Humanitas Unisinos, 09 jul. 2013. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/noticias/521786-qadao-onde-estas-caim-onde-esta-o-teu-irmao-o-discurso-de-francisco-em-lampedusa>. Acesso em: 09 ago. 2013.

AGAMBEN, G. A comunidade que vem. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

AGAMBEN, G. A potência do pensamento ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

AGAMBEN, G. Homo Sacer. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002.

AGAMBEN, G. Nudez. Portugal/Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2010.

AGAMBEN, G. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

AGOSTINI, N. O mal nos desafia. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte: O Lutador, ano 33, n. 91, set./dez. 2001.

ANTUNES, R. (Org.). Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2006.

ANTUNES, R. (Org.). Riqueza e Miséria no Trabalho no Brasil 2. São Paulo: Boitempo, 2013.

ANTUNES, R. (Org.). Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil III. São Paulo: Boitempo, 2014.

ARENDT, H. Da violência. Brasília, DF: Ed. da Universidade de Brasília, 1985.

ASSMANN, H. Metáforas novas para reencantar a educação: epistemologia e didática. Piracicaba: Ed. Unimep, 2011.

BAUMANN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

BENJAMIN, W. Escritos sobre mito e linguagem: para uma crítica da violência (1915-1921). São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2011.

BENJAMIN, W. Sobre o conceito de história. In: LOWY, M. (Org.). Walter Benjamin: aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2005.

DADOUN, R. A violência: ensaio acerca do “homo violens”. Rio de Janeiro: DIFEL, 1998.

DELEUSE, G.; GUATTARI, G. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, V. I. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

DRAWIN, C. R. O paradoxo antropológico da violência In: ROSÁRIO, Â. B.; NETO, F. K.; MOREIRA, J. O. (Org.). Faces da violência na contemporaneidade: sociedade e clínica. Barbacena, Minas Gerais: Ed. UEMG, 2011.

ELIAS, N. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993. v. 1 e 2.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. 26. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

HEIDEGGER, M. Sobre o humanismo. Rio de Janeiro: Edições Tempo Brasileiro, 1995.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 14. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1986.

LOBACZEWSKI, A. Ponerologia: psicopatas no poder. Campinas: Vide Editorial, 2006.

MACHADO, J. P. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa - 5 Volumes. 12. ed. Lisboa: Livros Horizonte, 2003.

MAFFESOLI, M. Dinâmica da violência. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1987.

MATURANA, H. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001.

MATURANA, H. Da biologia à psicologia. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

MORIN, E. Ciência com consciência. 13. ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2010.

MORIN, E. O Método 5: A Humanidade da Humanidade, a identidade humana. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2003.

MORIN, E.; VIVERET, P. Como viver em tempo de crise? 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015.

PEREIRA, C. A. M. et al. Linguagens da violência. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

QUEIRUGA, A. T. Do terror de Isaac ao abbá de Jesus. São Paulo: Paulinas, 2001.

RICOEUR, P. Existência e hermenêutica. In: RICOEUR, P. (Org.). O conflito das interpretações: ensaios de hermenêutica. Rio de Janeiro: Imago, 1978.

ROCHA, E. P. G. O que é etnocentrismo. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1988.

ROCHA, Z. Paixão, violência e solidão: o drama de Abelardo e Heloísa no contexto cultural do século XII. Recife: Ed. UFPE, 1996.

RUIZ, B. C. Genealogia da biopolítica. Legitimações naturalistas e filosofia crítica. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, Porto Alegre: Unisinos, n. 386, 2012.

RUIZ, B. C. (In)justiça, violência e memória: o que se oculta pelo esquecimento, tornará a repetir-se pela impunidade. In: SILVA FILHO, J. C. M.; ABRÃO, P.; TORELLY, M. D. (Org.). Justiça de transição nas Américas: olhares interdisciplinares, fundamentos e padrões de efetivação. Belo Horizonte: Fórum, 2013.

SANTOS, B. S. A Gramática do Tempo. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, M. F. dos. Teoria do Conhecimento (Gnosiologia e Criteriologia). São Paulo: Logos, 1960.

TOURAINE, A. Crítica da Modernidade. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

WATSLAWICK, P. A realidade inventada, como sabemos o que cremos saber. Campinas: Psy, 1994.

ZILLES, U. Teoria do conhecimento e teoria da ciência. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2008.

ZIZEK, S. Violência. São Paulo: Boitempo, 2014.

Downloads

Publicado

30-08-2018

Como Citar

STRIEDER, R.; LAGO, C. Sombras de violência: premissas ocultas em epistemologias. Roteiro, [S. l.], v. 43, n. 2, p. 527–560, 2018. DOI: 10.18593/r.v43i2.15734. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/15734. Acesso em: 20 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Relações entre violência e educação"

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.