Escolas Cívico-Militares: constituição/rendição de subjetividades em prol de obediência e servidão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v47.27409

Palavras-chave:

educação, dessubjetivação, obediência, experiências reflexivas

Resumo

Nesse estudo pretendemos refletir, para entender melhor o quase apelo ao retorno das forças militares, de mando e obediência, como modelo educacional e de valorização humana. Entender como práticas de sujeição se tornam aceitáveis – estilo servidão voluntária -, reduzindo a pessoa à condição de coisa, numa trama que perpetua a violência e a crueldade, das, e nas relações ditas sociais, reforçando a profunda desigualdade econômica, social e cultural. Partimos das problemáticas: Por que boa parte da população brasileira acredita que a ordem e a disciplina militares são adequadas para crianças e jovens em idade escolar? Quais implicações decorrem da forma(ta)ção cívico militar enquanto constituinte de subjetividade? Quais alternativas esperançar? Para uma compreensão mais profunda e desveladora das contradições e das tensões presentes nessa proposição formativa – escola cívico militar - buscamos apoio em referenciais teóricos construídos por autores como Foucault, Guattari, Maturana, Varela e outros, cujas vertentes reflexivas convidam para debates e envolvimentos de diferentes dinâmicas. Ressaltamos que escolas cívico-militares, nas asas da hierarquia, da dominação, da ordem e da obediência visam muito mais um corpo capturado do que um corpo pessoa constituído nas interações das experiências do viver. Lógicas formativas que aderem ao mando e à obediência exigem rendição a verdades incontestes que, de forma instrumental, enquadram e condicionam. Acreditamos que a experiência do pensar em e como subjetividade, a partir da profanação de dispositivos, da autopoiese como viver educativo e da produção de descontinuidades por parte de educadores, pode contribuir para a superação da lógica do mando e da obediência. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roque Strieder, Universidade do Oeste de Santa Catarina

(último título acadêmico e respectiva instituição; atividade que desempenha; instituição a que está vinculado) Doutor em Educação pela Unimep de Piracicaba SP. Prof. do programa de Mestrado em Educação Pesquisador PIBIC/CNPq e FAPESC

Andrerika Vieira Lima Silva, Unoesc _ Universidade do Oeste de Santa Catariana

Mestre em Educação. Doutoranda pelo PPGE da Unoesc/ Joaçaba/SC. Professora do Instituto Federal do Mato Grosso - IFMS.

Referências

AGAMBEN, G. Nudez. São Paulo: Autêntica, 2014.

AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

AGAMBEN, G. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

ATLAN, H. O livro do conhecimentro: as centelhas do acaso e a vida. Lisboa: Instituto Piaget,2000.

BRANDÃO, C. R.; FAGUNDES, M. C. V. Cultura popular e educação popular: expressões da proposta freireana para um sistema de educação. Educ. rev., Curitiba, n. 61, p. 89-106, set. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602016000300089&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 07 maio 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.47204

BRASIL. Decreto n. 9.465, de 2 de janeiro de 2019. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do Ministério da Educação, remaneja cargos em comissão e funções de confiança e transforma cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS e Funções Comissionadas do Poder Executivo - FCPE. Diário Oficial da União, Brasília, DF,2 jan. 2019a. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/57633286. Acesso em: 25 ago. 2020.

BRASIL. Decreto n. 10.004, de 5 de setembro de 2019. Institui o programa Nacional de Escolas Cívico-Militares. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 set. 2019b. Disponível em: http://escolacivicomilitar.mec.gov.br/images/pdf/legislacao/decreto_n10004_de_5_de_setembro_de_2019_dou_pecim.pdf. Acesso em: 20 mar. 2021.

CARVALHO, A. F. A função-educador na perspectiva da biopolítica e da governamentalidade neoliberal. Cadernos IHU Ideias, São Leopoldo, ano 14, n. 224. p. 5-28, 2016. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/images/stories/cadernos/ideias/244cadernosihuideias.pdf. Acesso em: 19 ago. 2020.

COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA. Proposta pedagógica. 2018. Disponível em: http://www.cmb.eb.mil.br/index.php/proposta-pedagogica. Acesso em: 26 ago. 2020.

COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO. Manual do aluno. 2018. Disponível em: http://www.cmrj.eb.mil.br/images/ca/docs/ANEXO-F.pdf. Acesso em: 27 ago. 2020.

DELEUZE, G. Foucault. Reimpreessão. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. v. 2.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O Anti-Édipo. São Paulo: Ed. 34, 2010.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes. 1981.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. 4. imp. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. História da sexualidade II: o uso dos prazeres. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

FOUCAULT, M. O nascimento da Biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes 2008.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: Nascimento da prisão. 20. ed. Petrópolis, RJ: Vozes. 1999.

GUATTARI, F. As três ecologias. 21 ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. 4. ed. Petrópolis, RJ, 1996.

LA BOÉTIE, E. de. Discurso da servidão voluntária. São Paulo: Martin Claret, 2019.

LAZZARATO, M. Signos, Máquinas, Subjetividades. São Paulo: Edições Sesc, 2010.

MATURANA, H. Ciência cognição e vida cotidiana. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

MATURANA, H.; VARELA, F. De máquinas e seres vivos: Autopoiese. 3 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MATURANA, H.; VERDEN-ZOLLER, G. Amar e brincar: Fundamentos esquecidos do humano. 5 ed. São Paulo: Palas Athena, 2019.

MIZUKAMI, M. G. N. Ensino: As abordagens do ensino. São Paulo: EPU, 1986.

MORIN, E. O método 6 – Ética. Porto Alegre: Sulina, 2005.

PRIGOGINE, I.; STENGERS, I. A nova aliança: Metamorfose da ciência. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1997.

STENGERS, I. A invenção das ciências modernas. São Paulo: Ed. 34, 2002.

VARGAS, M. Ministério da defesa deve ter mais dinheiro que a educação em 2021. O Estado de SP, São Paulo, 17 ago. 2020. Disponível em: https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,ministerio-da-defesa-deve-ter-mais-dinheiro-do-que-a-educacao-em-2021,70003401862. Acesso em: 25 ago. 2020.

Downloads

Publicado

04-02-2022

Como Citar

STRIEDER, R.; SILVA, A. V. L. Escolas Cívico-Militares: constituição/rendição de subjetividades em prol de obediência e servidão . Roteiro, [S. l.], v. 47, p. e27409, 2022. DOI: 10.18593/r.v47.27409. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/27409. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua