Os sentidos políticos atribuídos à função social da escola pelos professores iniciantes na carreira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v48.30098

Palavras-chave:

Professores iniciantes, Formação de professores, Sentidos da escola, Trabalho docente

Resumo

Apresentamos uma investigação sobre o professor iniciante na carreira, objetivando entender os sentidos políticos atribuídos à função da escola por estes docentes. A ideia dessa investigação surge com indagações postas sobre o início da docência, pautando as dificuldades e descobertas da fase enquanto iniciante, são referências para o estudo os trabalhos de Hubermam (2000). Articulando as abordagens metodológicas quantitativas e qualitativas, esta pesquisa é de caráter amostral, utilizando de entrevistas realizadas com professores, visando trabalhar com sujeitos recém ingressos em sala de aula como docentes, realizando entrevistas com 10 professores da educação básica. Embasadas em um estudo referenciado na metodologia do núcleo de significação (Aguiar e Ozella, 2013), sintetizamos os sentidos dos docentes sobre o papel da escola a partir de três categorias: a) Escola para a adaptação social; b) Escola para reforma social; e c) Escola para a mudança social, o que nos permite contribuir com o campo da formação de professores, especificamente sobre a entrada na carreira docentes, seus desafios e realizações, fortalecendo a  função de uma escola vinculada a um compromisso social da emancipação humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deise Ramos da Rocha, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília

Doutora em Educação (2020) pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Pedagoga (2013) e Mestre em Educação (2016) pela Universidade de Brasília (UnB). Membro pesquisadora do CEPE/UFPel (Centro de Estudos em Políticas Educativas) e do GEPFAPe/UnB (Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Formação é Atuação de Pedagogos/Professores). Colaboradora no GEPT/UnB (Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho). Professora da SEDF (Secretaria de Educação do Distrito Federal). Foi formadora de educadores de Educação de Jovens e Adultos, pelo Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (2012-2014). Desenvolve pesquisas com ênfase na formação e trabalho docente, organização do trabalho educativo, políticas públicas, formação política do educador, valorização docente, projetos de sociedade, sentidos do trabalho.

Referências

AGUIAR, W.; OZELLA, S. Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta dos núcleos de significação. In: Rev. Bras. Est. Pedag. Brasília, v. 94, n. 236, p. 299-322, jan./abr. 2013.

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. Tradução: Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hubitec, 2014.

DUARTE, N. (org.). Sobre o Construtivismo: contribuições a uma análise crítica. Campinas-SP: Autores Associados, 2000.

DUARTE, N. (org.). A Individualidade Para Si: contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do indivíduo. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

FREITAG, B. Aspectos Filosóficos e Sócio-antropológicos do Construtivismo Pós-piagetiano. In: GROSSI, Esther.; BORDIN, Jussara. Construtivismo Pós-Piagetiano: um novo paradigma de aprendizagem. Petrópolis: Vozes, p. 26-34, 1993.

FRIGOTTO, G. Educação e crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 1999.

GADOTTI, M. Pedagogia da Práxis. 2. ed. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 1988.

GRAMSCI, A. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. 9 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere, volume 2. 4 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

HUBERMAN, M. O Ciclo de Vida Profissional dos Professores. In: NÓVOA, António (org.). Vida de Professores. Porto: Porto Editora, p. 31-62, 2000.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

MARX, K.; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. Tradução: Álvaro Pina. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MARX, K.; ENGELS, F. Textos sobre Educação e Ensino. Tradução: Rubens Eduardo Frias. São Paulo: Centauro, 2004.

PIAGET, J. O Nascimento da inteligência na criança. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

PISTRAK, M. Fundamentos da Escola do Trabalho. São Paulo: Ed. Expressão Popular, 2008.

PROF. MEDF24. Entrevista. Brasília (Distrito Federal), 5 fev. 2016.

PROF. MHIT26. Entrevista. Brasília (Distrito Federal), 8 fev. 2016.

PROF. MPED33. Entrevista. Brasília (Distrito Federal), 2 fev. 2016.

PROFA. FBIO23. Entrevista. Brasília (Distrito Federal), 15 fev. 2016.

PROFA. FEDF22. Entrevista. Brasília (Distrito Federal), 8 fev. 2016.

PROFA. FEDF31. Entrevista. Brasília (Distrito Federal), 10 fev. 2016.

PROFA. FLET29. Entrevista. Brasília (Distrito Federal), 5 fev. 2016.

PROFA. FPED23. Entrevista. Brasília (Distrito Federal), 10 fev. 2016.

PROFA. FPED27. Entrevista. Brasília (Distrito Federal), 12 fev. 2016.

PROFA. FPED30. Entrevista. Brasília (Distrito Federal), 12 fev. 2016.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SCHÖN, D. Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

VIGOTSKI, L. Obras escogidas. Tomo III. 2 ed. Madrid: Visor, 2000.

VIGOTSKI, L. Pensamento e Linguagem. Tradução: Jeferson L. Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

Downloads

Publicado

18-12-2023

Como Citar

ROCHA, D. R. da; CURADO-SILVA, K. A. P. C. Os sentidos políticos atribuídos à função social da escola pelos professores iniciantes na carreira. Roteiro, [S. l.], v. 48, p. e30098, 2023. DOI: 10.18593/r.v48.30098. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/30098. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.