Educação do campo e ensino de filosofia intercultural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v47.29624

Palavras-chave:

Filosofia Intercultural, Educação do Campo, Território

Resumo

A educação filosófica intercultural com ensino e aprendizagens transformadas, é a centralidade deste trabalho. Tomando a Filosofia como é um contínuo movimento histórico de saberes de todas as partes do mundo, que na maioria dos casos se deu no confronto entre culturas, como violência, promovendo silenciamentos e epistemicídios, perguntamos: Quais as contribuições da filosofia intercultural proposta por Raúl Fornet-Betancourt e da pedagogia libertadora de Paulo Freire como alternativa para formação filosófica de sujeitos do campo? Abordamos está questão em diálogos interculturais desde práxis educativas em espaços distintos, tais como: no Colégio Estadual do Campo São Francisco de Assis, em Iratin, General Carneiro-PR; na Universidade Estadual do Paraná, campus de União da Vitória-PR, na Universidade Federal da Integração Latino-Americana em Foz do Iguaçu, PR. A aproximação destas experiências expressa a construção de conhecimentos de forma colaborativa e toma a interculturalidade como um quefazer orientado para a (re) aprendizagem do pensar, do ser e do estar no mundo, bem como do exercício de reconhecimento de saberes memoriais, de narrativas biográficas e da história de territórios camponeses em diálogo crítico com a história da filosofia e da educação na América Latina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giselle Moura Schnorr, Universidade Estadual do Paraná/UNESPAR

Educadora Popular, professora adjunta da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), campus de União da Vitória, professora permanente do Programa de Mestrado Profissional em Filosofia (PROF-FILO), Núcleo UNESPAR. Graduada em Filosofia, especialista em Organização do Trabalho Pedagógico e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo. Com pós-doutorado em educação na Universidade Federal do Paraná. Coordenadora do Programa de Extensão Coletivo Paulo Freire de Filosofia, Educação e Cultura.

Referências

ALMEIDA, S. Racismo Estrutural: Sueli Carneiro; Pólen Livros, 2019.

ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

ARROYO, M. G.. FERNANDES, Bernardo Mançano. A Educação Básica e o Movimento Social do Campo. Brasília, DF: Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo. Col. Por uma educação básica do campo. Vol.2, 1999.

HOOKS, B.: O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 2018.

CARNEIRO, A.S. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da USP. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

FANON, F. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2005.

FERNANDES, B.M. Educação Rural e Educação do Campo. Canal: DEBATE-40. Disponível: https://www.youtube.com/watch?v=RzrF78tAXP0. Acesso: 30 mai. 2021.

FORNET-BETANCOURT, R. Transformación intercultural de la filosofia Latinoamericana: ejercicios teóricos y prácticos de la filosofía intercultural desde Latinoamérica en el contexto de la globalización, DESCLÉE DE BROUWER, S.A., 2001.

FORNET-BETANCOURT, R: Para una crítica intercultural de la Filosofía, Trotta, Madrid, 2004.

FORNET-BETANCOURT, R. La Interculturalidad a Prueba. Aachen: Revista Concórdia, Band 43, 2006.

FORNET-BETANCOURT, R. Material inédito para el Diplomado en Pensamiento Crítico Americano, ofrecido por la Universidad Católica Silva Henríquez (Chile) y la Universidad Nacional de Tres de Febrero (Argentina). [Entrevista cedida a] Cristián Valdés Norambuena. Santiago de Chile 22 de agosto de 2016. Disponível: https://www.youtube.com/watch?v=Vd06526NzU0. Acesso em: 12 jan. 2021.

FREIRE, P. Educação como Prática da Liberdade. 26. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro/São Paulo: Editora: Paz e Terra. 1987.

GUADARRAMA, P.: Cultura y Educación en tiempos de globalización posmoderna. Editorial Magisterio, Bogotá, 2006.

MARTINS, J.F. A escola e a educação do campo. São Paulo: Pimenta Cultural, 2020. DOI: https://doi.org/10.31560/pimentacultural/2020.031

MBEMBE, A. Necropolítica. 3. ed. São Paulo: n-1 edições, 2018.

RIBEIRO, D. A universidade necessária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único a consciência universal. 9.ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

UNESPAR. Plano de Desenvolvimento Institucional, Paranavaí, 2018. Disponível: https://www.unespar.edu.br/a_unespar/institucional/documentos_institucionais/PDI_Unespar_final.pdf/view. Acesso: 12 mai. 2021.

UNESPAR. Projeto Pedagógico do Curso de Filosofia, União da Vitória, 2019. Disponível: https://prograd.unespar.edu.br/assuntos/graduacao/cursos/uniao-da-vitoria/ppc-filosofia-uniao-da-vitoria.pdf/view. Acesso: 12 mai. 2021.

VIEIRA PINTO, A. A questão da universidade. São Paulo: Cortez, 1995.

WALLERSTEIN, I. Via Atlântica, (21), 15-26. A crise estrutural no sistema-mundo: para onde vamos a partir daqui? 2012. DOI: https://doi.org/10.11606/va.v0i21.51014

Publicado

09-08-2022

Como Citar

MOURA SCHNORR, G. M.; CAMARGO, E.; HERRERA, M. L. M. Educação do campo e ensino de filosofia intercultural. Roteiro, [S. l.], v. 47, p. e29624, 2022. DOI: 10.18593/r.v47.29624. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/29624. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Seção temática: Educação do Campo: análises e resistências em movimento