Educação e deficiência visual: análise da produção científica sobre o desenvolvimento da linguagem escrita

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v47.27442

Palavras-chave:

Deficiência visual, Leitura e escrita, Linguagem escrita, Alfabetização, Produção científica

Resumo

Este artigo objetiva discutir a produção científica brasileira no que se refere aos conhecimentos produzidos sobre o desenvolvimento da linguagem escrita de crianças com deficiência visual, oriunda de trabalhos de teses e dissertações presentes no Catálogo de Teses e Dissertações da Capes, abrangendo o período de 1987 a 2018. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica sustentada especialmente em estudos vigotskianos sobre o desenvolvimento da linguagem escrita. Os resultados se assentam em 46 pesquisas, sendo organizados e discutidos em dois eixos: sobre processos, abordando questões teórico-metodológicas; sobre objetos, subdividido em oito categorias: recursos didáticos; imagem; processo e contexto educacional; ensino de língua portuguesa; desempenho e apropriação da leitura e/ou da escrita; processos psíquicos; políticas e formação docente. Da discussão, destacam-se: aumento gradativo de pesquisas que visam à proposição de recursos de tecnologia digital; deslocamento gradual de pesquisas voltadas para a testagem de habilidades fonológicas e de percepção tátil para pesquisas que abordam a temática pelo viés da prática docente conduzida por investimentos na literatura infantil, na narrativa, na interação social, embora com pequena expressividade dos processos implicados na brincadeira da criança com deficiência visual; manutenção do Sistema Braille como centro das propostas de apropriação da leitura e da escrita, ao lado de discussões em torno da desbrailização; e emergência, nos últimos anos, de estudos sobre funções psíquicas e suas relações com o desenvolvimento e aprendizado do aluno com deficiência visual. Em linhas gerais, a análise indica um deslocamento de antigos modelos teórico-metodológicos para modelos que vão na direção da humanização desse alunado.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Rangel, INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT

Graduada em Pedagogia, Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo, na linha Diversidade e Práticas Educacionais Inclusivas, tendo realizado pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação/UFES. No momento, realiza estágio de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense/UFF. Professora do Departamento de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão do IBC, coordenadora do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Teorias e Métodos em Alfabetização de Alunos com Deficiência Visual. 

Sonia Lopes Victor, UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

Possui graduação em pedagogia (UFES), mestrado em educação especial (UFSCar), doutorado em educação (USP), pós-doutorado em educação na USP e na UFSCar, respectivamente. Professora Titular da UFES desde 1994, do Departamento de Teorias do Ensino e Práticas Educacionais e credenciada ao Programa de Pós-graduação em Educação na Linha de Educação Especial e Práticas Inclusivas. Coordena o Fórum Permanente de Educação Inclusiva do ES e o GT15 - Educação Especial da Anped.

Referências

ARAÚJO, R. R. Os paradigmas da ciência e suas influências na constituição do sujeito: a intersubjetividade na construção conhecimento. In: CAMARGO, M. R. R. M. de (org.); SANTOS, V. C. C. dos (colab). Leitura e escrita como espaços autobiográficos de formação. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 91-103. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/zz66x/pdf/camargo-9788579831263.pdf. Acesso em: 10 mar. 2021.

BATISTA, R. D.; LOPES, E. R; PINTO, G. U. A alfabetização de alunos cegos e as tendências da desbrailização: uma discussão necessária. Revista de Ciências da Educação, p. 179-194, 2017. DOI: https://doi.org/10.19091/reced.v1i37.587

BATISTA, R. D. O processo de alfabetização de alunos cegos e o movimento da desbrailização. 2018. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Metodista de Piracicaba. Piracicaba, SP, 2018.

BOMTEMPO, E. A brincadeira de faz-de-conta: lugar do simbolismo, da representação, do imaginário. In: KISHIMOTO, T. M. (org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 1996. p. 57-58.

BRASIL. Formação Continuada a Distância de Professores para o Atendimento Educacional Especializado. Secretaria de Educação Especial, Brasília, DF, 2007.

CARDEAL, M. Ver com as mãos: a ilustração tátil em livros para crianças cegas. 2009. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) - Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2009.

CARRARO, P. R.; ANDRADE, A. dos S. Concepções docentes sobre o construtivismo e sua implantação na rede estadual de ensino fundamental. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, v. 13, n. 2, p. 261-268, jul./dez. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-85572009000200008

CORDAZZO, S. T. D. et al. Perspectivas no estudo do brincar: um levantamento bibliográfico. Aletheia, Canoas, n. 26, p. 122-136, dez. 2007. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942007000200011&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 mar. 2021.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 5 ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

GARCIA, E. Pesquisa bibliográfica versus revisão bibliográfica - uma discussão necessária. Rev Línguas e Letras, v. 17, ano 35, p. 291-294, 2016. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/13193/10642. Acesso em: 28 abr. 2018.

GOMES, R. V. B. Alfabetização de alunos com baixa visão e cegueira: o trabalho na escola e da equipe de deficiência visual. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2010. DOI: https://doi.org/10.20396/liames.v10i1.1514

IASI, M. L. Alienação e ideologia: a carne real das abstrações ideais. In: DEL ROIO, M. (org.). Marx e a dialética da sociedade civil. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p. 95-124.

LIMA, T. C. S. de; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Rev. Katálysis, Florianópolis, v. 10, n. spe, p. 37-45, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802007000300004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 28 abr. 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-49802007000300004

MARTINEZ, A. B. C. Ensino de ortografia e Sistema Braille: um estudo de caso. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

MARTINS, L. M. O estudo do conceito funções psíquicas superiores. In: MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2013. p. 73-104.

MORAIS, D. F. P. de. Desenhando uma história: a formação da imagem mental e a representação gráfica de alunos cegos precoces e tardios. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais, Universidade do Estado de Santa Catarina, Santa Catarina, 2011.

MORTATTI, M. R.; OLIVEIRA, F. R. de; PASQUIM, F. R. 50 anos de produção acadêmica brasileira sobre alfabetização: avanços, contradições e desafios. Interfaces da Educ., Paranaíba, v. 5, n. 13, p. 06-31, 2014.

OLIVEIRA, B. M. de. Construção de saberes e significações imaginárias na trajetória de vida de uma alfabetizadora cega. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2008.

OLIVEIRA, L. de B.; BRAUN, P. Avaliação educacional para alunos com baixa visão: a prática e a teoria na sua elaboração. In: IX SIMPÓSIO EDUCAÇÃO E SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA, 2014, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.cap.uerj.br/site/images/trabalhos_espacos_de_dialogos/8-Oliveira_e_Braun.pdf. Acesso em: 14 set. 2021.

OTTAIANO, J. A. A. et al. As condições de saúde ocular no Brasil. Conselho Brasileiro de Oftalmologia, v. 1, 2019.

PIEKAS, M. I. Elementos da linguagem visual e ensino de desenho para crianças cegas. 2017. Tese (Doutorado em Artes Visuais) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2017.

PRESTES, Z. R. Quando não é a mesma coisa: análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil: repercussões no campo educacional. 2010. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2010.

RANGEL, F. A. Das expectativas e de sua realização quanto ao processo de transição da instituição especializada para a escola comum por alunos com deficiência visual. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 38., 2017, São Luís/MA. Anais [...]. São Luís: UFMA, 2017. Disponível em: http://38reuniao.anped.org.br/sites/default/files/resources/programacao/trabalho_38anped_2017_GT15_538.pdf. Acesso em: 15 jan. 2021.

RANGEL, F. A; VICTOR, S. L. A brincadeira de faz de conta e sua influência no processo de alfabetização de crianças cegas. Benjamin Constant, v. 1, n. 59, p. 43-58, 2016.

ROSSLER, J. H. A dimensão retórica e valorativa do núcleo teórico-conceitual do ideário construtivista; A infância. In: ROSSLER, J. H. Sedução e alienação no discurso construtivista. Campinas, SP: Autores Associados, 2006. p. 144-148.

RUIZ, T. Relação texto-imagem: a resposta de crianças com deficiência visual ao livro ilustrado contemporâneo. 2014. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Estadual de Londrina, PR, 2014. DOI: https://doi.org/10.5433/1984-7939.2014v10n17p239

SACCOMANI, M. C. S. A criatividade na arte e na educação escolar. Uma contribuição à pedagogia histórico-crítica à luz de Georg Lukács e Lev Vigotski. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

SILVA, R. K. da. Alfabetização e letramento de crianças cegas em diferentes contextos. 2018. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2018.

SILVA, R. M; RIBEIRO, L. L. Permanências do modelo médico nos discursos dos professores da Educação Especial. Revista Educação, Artes e Inclusão, v. 13, n. 1, p. 141-166, 2017. DOI: https://doi.org/10.5965/1984317813012017141

SOUSA, J. B. As novas tecnologias e a “desbrailização”: mito ou realidade. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS BRAILLE, 2., 2001, João Pessoa. Anais [...]. João Pessoa, 2001. Disponível em: http://intervox.nce.ufrj.br/~joana/textos/tecni08.html Acesso em: 14 dez. 2020.

SOUSA, J. B. Aspectos comunicativos da percepção tátil: a escrita em relevo como mecanismo semiótico da cultura. 2004. Tese (Doutorado em Comunicação Semiótica) - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

VIGOTSKI, L. S. Criação e imaginação. In: VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico livro para professores. Tradução e revisão técnica: Zoia Prestes e Elizabeth Tunes. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018. p. 13-19.

VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. Tradução: Maria da Penha Villalobos. 16 ed. São Paulo: Editora Ícone, 2018. p. 119-142.

VYGOTSKI, L. Estudio del desarrollo de los conceptos científicos en la edad infantil. In: VYGOTSKI, L. Obras escogidas: problemas de psicología general. Tradução: Julio Guillermo Blank. Madrid: Machado Libros, 2014a. t. II. p. 181-285.

VYGOTSKI, L. Obras escogidas: problemas de psicología general. Tradução: Julio Guillermo Blank. Madrid: Machado Libros, 2014b. t. II.

Downloads

Publicado

09-02-2022

Como Citar

ALVARENGA RANGEL, F.; VICTOR, S. L. Educação e deficiência visual: análise da produção científica sobre o desenvolvimento da linguagem escrita. Roteiro, [S. l.], v. 47, p. e27442, 2022. DOI: 10.18593/r.v47.27442. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/27442. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Seção temática: Políticas públicas, educação especial e processos de inclusão: perspectivas críticas