A luta pelo território como princípio educativo nos processos de educação do campo na América Latina: um estudo de caso no Brasil e na Argentina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v47.29326

Palavras-chave:

Educação do Campo, Educação Rural, Argentina, Brasil

Resumo

O objetivo deste estudo é a análise qualitativa e comparativa de duas experiências de educação do campo no Brasil e na Argentina. Para esta análise, buscamos eixos comuns como trabalho e educação. As experiências locais do curso de graduação em Educação do Campo da Universidade Federal de Viçosa (UFV) no Brasil e da Escola Nacional de Agroecologia (ENA) da Argentina, apresentam questões locais e globais de fundamental importância para a educação latino-americana. O artigo buscará discutir como a luta pelo território, mediada pelo trabalho, são eixos centrais nos processos educacionais camponeses, tanto na educação popular quanto na educação formal. A metodologia utilizada é qualitativa com revisão da literatura e experiências de trabalho de campo e pesquisa-ação. O trabalho conclui com a constatação da importância de tornar as populações mais pobres do campo: camponeses, operários e camponeses sem terra etc., participantes decisivos nos processos educativos tanto a nível de formação como de alfabetização interna das organizações, até sua formação profissional em espaços universitários e tecno-produtivos. Destacando a importância dos diálogos de saberes entre organizações camponesas de diferentes países e da articulação entre saberes populares e tecno-científicos na construção da Educação do Campo na e pela luta pela terra nos dois países.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Henrique Pinto, Universidad de Buenos Aires

Doutor em Ciências Sociais e Humanas pela Universidade Nacional de Quilmes (UNQ) Argentina (2013) com bolsa de doutorado do CONICET (Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica). Graduado em Filosofia pela Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ). O Brasil (2008) foi membro do Núcleo de Pesquisa em Justiça Ambiental (NINJA-UFSJ). Membro do Centro de Estudos da Argentina Rural da Universidade Nacional de Quilmes (CEAR-UNQ) desde 2009. Foi pós-doutorado no Centro de Pesquisas Interdisciplinares em Ciências e Humanidades da Universidade Nacional Autônoma do México (CEIICH-UNAM) 2015-2017. Foi pós-doutorando no CONICET- Argentina de 2015 a 2018. Atua na área ambiental, soberania alimentar e conflitos ambientais.

Edgar Leite de Oliveira, Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Professor Adjunto do curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal de Viçosa - UFV. Bacharel e Licenciado em História. Mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, na linha: Política, Trabalho e Formação Humana. Doutor em Educação pela na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, na linha: Educação, Cultura, Movimentos Sociais e Ações Coletivas. Habilitado a exercer atividades como professor/ pesquisador em História, Política e Educação do Campo, além de outras vertentes da Educação, com maiores ênfases nas áreas de Educação do Campo e Educação Popular. Além de atividades de coordenação pedagógica e de formação em programas governamentais nas áreas de educação, formação, qualificação profissional e desenvolvimento econômico solidário. É professor autorizado pela secretaria de educação do Estado de Minas Gerais a ministrar aulas de História, Geografia e Sociologia. Possui experiência em lecionar História para o ensino fundamental e médio, em coordenação de projetos governamentais de formação e de desenvolvimento econômico solidário e educação do campo. Trabalhou em pesquisas e no ensino superior nas áreas de História Econômica Geral, Economia Brasileira, Economia Solidária, História do Brasil, Mundo do Trabalho e Pedagogia do Trabalho. Podendo ainda atuar nas áreas pedagógicas e de Iniciação ao trabalho e pesquisa científica. Durante o doutorado realizou pesquisas sobre movimento de professores, autonomia e trabalho na Instituições DIE/CINVESTAV e na Universidade Autônoma do México - UNAM, Cidade do México.

Referências

ARROYO. M. G. Diversidade. In: PEREIRA, Isabel Brasil et al. Dicionário da Educação do Campo. Expressão Popular: 2012.

ARROYO, M.G. Pedagogía del oprimido. In: CALDART, R.; PEREIRA, I.B; ALENTEJANO, P. y FRIGORRO, G. (org.). Diccionario de Educación del Campo. Buenos Aires: Batallas de Ideas, 2017. p. 267-278.

BRASIL, Governo do. Resolução CNE/CEB n. 1. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília, DF: 2002

CALDART, R S. Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

CALDART, R.; PEREIRA, I.B; ALENTEJANO, P. Y.; FRIGORRO, G. Introducción. In:¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬ __________. (org.). Diccionario de Educación del Campo. Buenos Aires: Batallas de Ideas, 2017. p. 07-16.

CALDART, R. S. Movimento Sem Terra: lições de pedagogia. Vol. 3. Currículo sem Fronteiras: p. 50-59, 2003.

CALDART, R. S. Sobre Educação do Campo. In: SANTOS, C. A. (org.). Educação do Campo: campo – políticas públicas – educação. Brasília, DF, 2008. Centros Familiares de Formação em Alternância. O Programa de Educação Rural por Alternância. Belém, PA: 2003.

CLÉNET, J.; GÉRARD, C. Partenariat et alternance en éducation: des pratiques a construire. Paris: Édtions L'Hartmattan, 1994.

COSTA NETO, C. Relações entre agronegócio e agroecologia no contexto do desenvolvimento rural brasileiro. In: Fernandes, Bernado M. (org.). Campesinato e agronegócio na América Latina: a questão agrária atual. São Paulo: Expressão popular, 2008, p.71-81.

DEMOL, J. N.; PILON, J.-M. (coord.) Alternance, développement personnel et local. Paris: Éditions L'Harmattan, 1998.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), 1996.

KOLLING, E. Alternância e formação universitária: o MST e o curso de pedagogia da terra. In: UNEFAB. Vários Autores. Pedagogia da alternância: formação em alternância e desenvolvimento sustentável. Brasília: Cidade Gráfica, nov. 2002.

MOLINA, M. C.; NÉRY, I; KOLLYNG, E. J. Caderno nº 1 - Por uma educação básica do campo (memória). Brasília: Setor de Educação, 1999.

MICHI, N. Movimientos Campesinos y Educación: Estudio sobre el Movimiento de Trabajadores Rurales Sin Tierra de Brasil y el Movimiento Campesino de Santiago del Estero MOCASE-VC. Buenos Aires: El Coletivo, 2010.

MOLINA. M. C.; SÁ. L. M. Escola do Campo. In: PEREIRA, Isabel Brasil et al. Dicionário da Educação do Campo. 2012.

MOLINA, M.C.; SA, L.M. Escola do Campo. In: CALDART, R.S.; PEREIRA, I.B.; ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. (org.). Dicionário da Educação do Campo São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.

MST. II Encontro Nacional de Educadoras e Educadores da Reforma Agrária II ENERA- Textos para estudo e debate. Boletim da Educação. São Paulo, nº 12- edição especial, 2014.

PINEAU, G. Formações universitárias em alternância no Canadá e na França. In: UNEFAB. Vários Autores. Pedagogia da alternância: formação em alternância e desenvolvimento sustentável. Brasília: Cidade Gráfica, nov. 2002.

PINTO, L. H. Agroecología y Recampesinización Cualitativa en el agro argentino contemporáneo (2014-2019). Boletín De Estudios Geográficos. (113), p. 161-180, julio/diciembre. 2020.

RIBEIRO, M. Educación Rural. In: CALDART, R.; PEREIRA, I.B; ALENTEJANO, P. y FRIGORRO, G. (org.). Diccionario de Educación del Campo. Buenos Aires: Batallas de Ideas, 2017. p. 205-214.

VASCONCELLOS, C. S. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político-pedagógico ao cotidiano da sala de aula.6. ed. São Paulo: Libertad, 2002.

VEIGA, I. P. A., I. P. A. Projeto político-pedagógico da Escola: Uma Construção Possível. 3º ed. SP: Papirus, 1997.

Publicado

09-08-2022

Como Citar

PINTO, L. H.; OLIVEIRA, E. L. de. A luta pelo território como princípio educativo nos processos de educação do campo na América Latina: um estudo de caso no Brasil e na Argentina. Roteiro, [S. l.], v. 47, p. e29326, 2022. DOI: 10.18593/r.v47.29326. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/29326. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Seção temática: Educação do Campo: análises e resistências em movimento