O projeto neodesenvolvimentista, a ortodoxia neoliberal e o retrocesso na política de educação do campo

Autores

  • Magda Gisela Cruz dos Santos Universidade Federal de Pelotas https://orcid.org/0000-0001-8971-9609
  • Conceição Paludo Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v47.28202

Palavras-chave:

Política de Educação do Campo, Neodesenvolvimentismo, Neoliberalismo, Movimentos Sociais

Resumo

O retorno da ortodoxia neoliberal no Brasil, desde 2016, tem promovido retrocessos na política de Educação do Campo, mediante o redirecionamento do projeto de desenvolvimento e do papel do Estado. Com objetivo de subsidiar a avaliação crítica desse processo, investigamos a relação da política de Educação do Campo com os projetos neodesenvolvimentista e neoliberal.  No estudo adotamos o método do materialismo histórico-dialético, utilizando-nos de estudo bibliográfico, da análise documental e da busca de dados estatísticos sobre a política de Educação do Campo (2001-2021). Constatamos que o projeto neodesenvolvimentista visava uma maior articulação entre capital produtivo e capital financeiro, o que exigia a qualificação dos territórios locais e da força de trabalho com investimentos em educação, ciência e tecnologia voltadas ao campo. Com a hegemonia neoliberal, o projeto de desenvolvimento se volta ao ajuste fiscal e privilegia o capital financeiro, portanto, a política de Educação do Campo deixa de ser uma das prioridades do Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magda Gisela Cruz dos Santos, Universidade Federal de Pelotas

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas e Mestre em Educação pelo mesmo programa. Graduada em Ciências Sociais (bacharelado e licenciatura) pela Universidade Federal de Pelotas. Integrante dos Grupos de Pesquisa Educação Popular e Movimentos Sociais (MovSE) da Universidade Federal de Pelotas e Trabalho, Movimentos Sociais e Educação (TRAMSE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui experiência na área de Educação, principalmente em relação aos temas: políticas públicas, trabalho e educação, educação popular, formação integral, movimentos sociais, escola pública e Educação do Campo. Foi pesquisadora no Projeto Observatório da Educação do Campo em seu núcleo no Estado do Rio Grande do Sul (CAPES/INEP). Atuou como professora da Educação Básica, coordenadora pedagógica e supervisora de estágio na rede pública estadual e municipal de Pelotas. Atualmente é bolsista CAPES.

Conceição Paludo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Educação, professora vinculada ao Departamento de Estudos Básicos e ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

BENJAMIN, C. [et. al.] A opção brasileira. Rio de Janeiro: Contraponto, 1998.

BOITO Jr., A. A crise política do neodesenvolvimentismo e a instabilidade da democracia. Crítica Marxista, n. 42, p. 155-162, 2016.

BRASIL. Projeto Base ProJovem Campo – Saberes da Terra Edição 2009. Programa nacional de educação de jovens agricultores(as) familiares integrada à qualificação social e profissional. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2009.

BRASIL. Construção coletiva: Sistemas de produção e processos de trabalho no campo: caderno pedagógico dos Educadores. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008.

BRASIL. Decreto Nº 10.252, de 20 de fevereiro de 2020. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - Incra, e remaneja cargos em comissão e funções de confiança. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 2020, n. 37, p. 2, 21 fev. de 2020.

CALDART, R. S. Educação do campo: notas para uma análise de percurso. Trabalho, Educação, Saúde. Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 35-64, mar./jun. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462009000100003

CPT NACIONAL. Conflitos no campo – Brasil 2018. Goiânia: CPT Nacional, 2019. Disponível em: https://www.cptnacional.org.br. Acesso em: dezembro de 2020.

EVANGELISTA, O; SHIROMA, E. O. Educação para o alívio da pobreza: novo tópico na agenda global. Revista de Educação PUC-Campinas. Campinas, n. 20, p. 43-54, junho de 2006.

FERNANDES, B. M. Educação do Campo e território camponês no Brasil. In: SANTOS, Clarice Aparecida dos. (Org.). Educação do Campo: campo – políticas – educação. Brasília: MDA, 2008, p. 39-66.

FRIGOTTO, G. A estratégia do capital sobre a Educação do Campo e a tarefa da resistência ativa. In: GUEDES, C. G. [et. al., organizadoras]. Memória dos 20 anos da educação do campo e do PRONERA. Brasília: Universidade de Brasília; Cidade Gráfica, 2018.

GUEDES, C. G. [et. al., organizadoras]. Memória dos 20 anos da educação do campo e do PRONERA. Brasília: Universidade de Brasília; Cidade Gráfica, 2018.

HIDALGO, A. M. MIKOLAICZYK, F. A. A busca do dissenso para a compreensão das influências dos organismos internacionais no desenvolvimento da educação rural nos anos 1950 à educação do campo após os anos 1990. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 47, p. 108-121, set. 2012. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v12i47.8640042

KATZ, C. Neoliberalismo, neodesenvolvimentismo, socialismo. São Paulo: Expressão Popular: Perseu Abramo, 2016.

MOLINA, M. C.; FREITAS, H. C. de A. Avanços e desafios na construção da Educação do Campo. Revista em aberto, Brasília, v. 24, n. 85, p. 17-31, abr. 2011.

MST. 2018 foi um ano que silenciou a reforma agrária. Movimento dos Trabalhadores Sem Terra. 2019. Disponível em: https://mst.org.br/2019/01/11. Acesso em: dezembro. 2020.

MUNARIM, A.; LOCKS, G. A. Educação do campo: contexto e desafios desta política pública. Olhar de professor, Ponta Grossa, 15 (1): 77-89, 2012. DOI: https://doi.org/10.5212/OlharProfr.v.15i1.0006

OXFAM. A desigualdade no chão: muita terra e pouca gente. OXFAM Brasil. 2020. Disponível em: https://www.oxfam.org.br/noticias/a-desigualdade-no-chao-muita-terra-e-pouca-gente. Acesso em: dezembro. 2020.

PALUDO, C. Educação Popular em busca de alternativas: uma leitura desde o campo democrático e popular. Porto Alegre: Tomo Editorial; Camp, 2001.

SANTOS, C. A. [et al., organização]. Dossiê educação do campo: documentos 1998-2018. Brasília: Universidade Federal de Brasília, 2020.

SINGER, A. Cutucando onças com varas curtas: o ensaio desenvolvimentista no primeiro mandato de Dilma Rousseff (2011-2014). Revista Novos Estudos CEBRAP, n. 102, p. 39-67, jul. 2015.

Downloads

Publicado

12-07-2022

Como Citar

SANTOS, M. G. C. dos; PALUDO, C. O projeto neodesenvolvimentista, a ortodoxia neoliberal e o retrocesso na política de educação do campo. Roteiro, [S. l.], v. 47, p. e28202, 2022. DOI: 10.18593/r.v47.28202. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/28202. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Seção temática: Educação do Campo: análises e resistências em movimento

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)