Educação e ideologia do neodesenvolvimentismo: heteronomia no campo educacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v47.29677

Palavras-chave:

Educação e desenvolvimento, Trabalho e educação, Teoria marxista da dependência, Neodesenvolvimentismo

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir as concepções de desenvolvimento predominantes no Brasil em três momentos históricos: o desenvolvimentismo de meados do século XX, o neodesenvolvimentismo no início do século XXI e, mais recentemente, o Desenvolvimento Sustentável. Procura-se analisar suas articulações com as transformações nas demandas para a educação. A pesquisa bibliográfica e documental realizada fundamentou-se no materialismo histórico-dialético. Argumenta-se que o neodesenvolvimentismo e o desenvolvimento sustentável não constituem alternativas ao neoliberalismo, mas, ao contrário, são ideologias usadas para alívio da pobreza extrema enquanto alimentam o capitalismo rentista. As análises evidenciam as contribuições da teoria marxista da dependência para pensarmos criticamente a relação educação e desenvolvimento na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eneida Oto Shiroma, UFSC

Professora do Departamento de Estudos Especializados em Educação do CED/UFSC; Doutora em Educação pela UNICAMP (1993); Coordenadora do Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Trabalho (GEPETO/UFSC). Bolsista CNPq.

Isaura Mônica Souza Zanardini, Unioeste

Doutora em Educação pela UNICAMP. Docente do Colegiado de Pedagogia e do Programa de Pós-graduação em Educação da UNIOESTE, Campus de Cascavel. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Política Educacional e Social – GEPPES (UNIOESTE) e do Grupo de Estudos em Política Educacional e Trabalho GEPETO (UFSC). 

Referências

ALVES, G. Neodesenvolvimentismo e precarização do trabalho no Brasil. 2013. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2013/08/19/neodesenvolvimentismo

-e-precarizacao-do-trabalho-no-brasil-parte-ii/. Acesso em: 02 out. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Decenal de Educação Para Todos. Brasília: MEC, 1993.

BRESSER PEREIRA, L C. O conceito histórico de desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2006. Disponível em: http://www.bresserpereira.org.br/papers/2006/06.7-conceitohistoricodesenvolvimento.pdf. Acesso em: set. 2019.

BRESSER PEREIRA, L. C. Desenvolvimento e Crise no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1972.

BRYAN, N. A. P. Desenvolvimento e desenvolvimento sustentável: metamorfoses do conceito e suas relações com a política educacional. In: Revista de Educação PUC-Campinas. Campinas, n. 20. p. 33-42, junho 2006.

BURGINSKI, V. M. Neokeynesianismo e neodesenvolvimentismo: expressões ideológicas do Estado neoliberal. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 406-415, maio/ago. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802018000200406. Acesso em: 25 mar. 2021.

CARCANHOLO, M. D. Neoconservadorismo com Roupagem Alternativa: a Nova CEPAL dentro do Consenso de Washington. Revista Análise Econômica, Porto Alegre, ano 26, nº. 49, p. 133 – 161, mar., 2008.

CARCANHOLO. M. D. O atual resgate crítico da Teoria Marxista da Dependência. In: Revista Trabalho, Educação e Saúde. Rio de Janeiro. Volume 11. N. 1, p. 191-205, jan.-abr., 2013.

CARDOSO, M. L. Ideologia do desenvolvimento: Brasil: JK JQ. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

CASTELO, R. O canto da sereia: social liberalismo, novo desenvolvimentismo e supremacia burguesa no capitalismo dependente. Em Pauta. Rio de Janeiro, 1º sem 2013, n. 31, v. 11, p. 119-138. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaempauta/article/view/7562/5499. Acesso em: 20 ago. 2019.

CASTELO, R. O social-liberalismo: auge e crise da supremacia burguesa na era neoliberal. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

CEPAL. Educação e Conhecimento: eixo da transformação produtiva com equidade. Santiago do Chile: CEPAL, 1992.

CEPAL. Horizontes 2030: A igualdade no centro do desenvolvimento sustentável. Santiago, 2016.

COSTA, D. V. O. Florestan Fernandes e os dilemas do subdesenvolvimento capitalista: a sociologia como crítica da dependência cultural. CODE 2011. Anais do I Circuito de Debates Acadêmicos. Brasília: Ipea, 2011. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/code2011/chamada2011/pdf/area11/area11-artigo5.pdf. Acesso em: 12 set. 2021.

FERNANDES, F. Sociedade de Classes e Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

FONTES, V. O Brasil e o capital-imperialismo: teoria e história. 3. ed. Rio de Janeiro: EPSJV/Editora UFRJ, 2010.

FREITAS, L. C. de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. In: Revista Educação e Sociedade. Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-114, out – dez, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/xm7bSyCfyKm64zWGNbdy4Gx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 01 out. 2021.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 1989.

GAZZOLA, A. L. A. Educação Superior: bem público ou mercadoria? Jornal da Ciência. Nº 2.030. 10 maio 2002. Disponível em: http://www.anped11.uerj.br/internacionalizacao/OMC/A%20OMC%20e%20a%20Universidade.htm. Acesso em: 03 out. 2021.

LEHER, R. Da ideologia do desenvolvimento à ideologia da globalização: a educação como estratégia do Banco Mundial para alívio da pobreza”. São Paulo, 1998. Tese de Doutorado Universidade de São Paulo. Doutorado em Educação.

LEHER, R., VITTÓRIA, P.; MOTTA, V. C. (2017). Educação e mercantilização em meio à tormenta político-econômica do Brasil. Germinal: Marxismo e educação em debate, 9(1), 14–24. https://doi.org/10.9771/gmed.v9i1.21792. Acesso em: 06 out. 2021.

LOWY, M. A teoria do desenvolvimento desigual e combinado. Revista Actual Marx 18, 1995. Disponível em: http://afoiceeomartelo.com.br/posfsa/Autores/Lowy,%20Michael/a%20teoria%20do%20desenvolvimento%20desigual%20e%20combinado.pdf. Acesso em: 01 de out. 2021.

MACHADO. M. P. O pacto neodesenvolvimentista e as políticas de expansão da educação superior no Brasil de 2003 a 2013. 2013. 218 p. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Paraná, Curitiba – PR. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/34929/R%20-%20T%20-%20MARIANA%20PFEITER%20MACHADO.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 04 ago. 2022.

MARINI, R M. Dialética da Dependência. 1973. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/24648/15300. Acesso em: 20 mar. 2020.

MARINI, R. M. A acumulação capitalista mundial e o subimperialismo. (1977) Outubro, n.20, 1º semestre/2012. Disponível em: http://outubrorevista.com.br/wp-content/uploads/2015/02/Revista-Outubro-Edic%CC%A7a%CC%83o-20-Artigo-02.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

MARTINS, A.S.; CASTRO, L. F. A concepção de trabalho educativo do Sebrae: assimilar a docência para difundir o empreendedorismo. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v.13, n.1, p.152-179, abr. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.9771/gmed.v13i1.43737. Acesso em: 13 ago. 2021.

MARTINS, C. A. R. Política de Educação Profissional: a implementação do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC) - 2011-2014. 2015. 216 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel - PR. Disponível em: https://tede.unioeste.br/handle/tede/3278. Acesso em: 05 ago. 2022.

MERCADANTE OLIVA, A. As bases do novo desenvolvimentismo: análise do governo Lula. 2010. 509 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/286345. Acesso em: 17 ago. 2018.

OLIVEIRA, T. S.; BONFIM, A.M. Trabalho, educação e ambiente em pleno neodesenvolvimentismo: tecendo conceitos e contradições. Revista Brasileira de Educação Profissional e Tecnológica. Vol.2, n.19, 2020, p. 1-20. Disponível em: 10.15628/rbept.2020.11609. Acesso em: 12 mai. 2022.

OLSKA, B.A. Economia Criativa e Educação para o Desenvolvimento Sustentável: mapeando convergências pelo rastro do trabalho. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, Relatório de Pesquisa. Iniciação Científica, 2021. 131 p.

PARANHOS, M. Organismos internacionais e a política de educação profissional brasileira. In: Anais / Seminário de Pesquisa: a crise da sociabilidade do capital e a produção do conhecimento, Rio de Janeiro, 3 e 4 de dezembro de 2009; Coordenadores: Gaudêncio Frigotto, Maria Ciavatta e Marise Ramos. - Rio de Janeiro: UFF, UERJ e EPJJV, 2013. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/26568/2/LIVROS%20EPSJV%20001202.pdf. Acesso em: 01 out. 2021.

PAULANI, L. M. O projeto Neoliberal para a sociedade Brasileira: sua dinâmica e seus impasses. In: Júlio C. F. Lima; Lúcia M. W. Neves. (org.). Fundamentos da Educação Escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006. p. 67-107. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/livro/fundamentos-da-educacao-escolar-do-brasil-contemporaneo. Acesso em: 20.mar. 2021.

ROBERTSON, S. A estranha não morte da privatização neoliberal na Estratégia 2020 para a Educação do Banco Mundial. In: Revista Brasileira de Educação, v. 17, n.50, maio-agosto 2012, p. 283-302. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782012000200003. Acesso em: 26 mar. 2021.

ROSTOW, W. W. Etapas do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1961.

RUMMERT, S.; ALGEBAILE, E.; VENTURA, J. Educação da classe trabalhadora brasileira: expressão do desenvolvimento desigual e combinado. Revista Brasileira de Educação. v. 18 n. 54 jul.-set. 2013 p.717-738.

SAMPAIO JÚNIOR, P. A. Desenvolvimento e neodesenvolvimento: tragédia e farsa. In: Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n.111, p.672-688, out dez, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282012000400004. Acesso em: 28 mar. 2021.

SEKI, A. K. Apontamentos sobre a financeirização do ensino superior no Brasil (1990-2018). Germinal: marxismo e educação em debate, Salvador, v. 13, n. 1, p. 48-71, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.9771/gmed.v13i1.43866. Acesso em: 12 out. 2022.

SILVA, A.M. A uberização do trabalho docente no Brasil: uma tendência de precarização no século XXI. Trabalho Necessário, Niterói, v.17, nº 34, set-dez (2019). p.229-251. Disponível em: http://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/38053. Acesso em: 06 set. 2021.

SILVA, M. A. A Hegemonia do Banco Mundial na Formulação e no Gerenciamento das Políticas Educacionais. In: Revista Nuances, v. VI, outubro 2009, p. 35-53. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/vie w/100/125. Acesso em: 03 mai. 2021.

RODRIGUES, J. O moderno príncipe industrial: o pensamento pedagógico da Confederação Nacional da Industria. Campinas; Autores Associados, 1998.

UNESCO. Organização Das Nações Unidas Para A Educação, A Ciência E A Cultura. Educação 2030: Declaração de Incheon e Marco de Ação, rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Brasília: Unesco, 2016. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000243278_por. Acesso em: 12 set. 2021.

WARDE, M. J. Liberalismo e educação. São Paulo, 1984. Tese de Doutorado. Universidade Católica de São Paulo, Doutorado em Educação.

XAVIER, M. E. S. P. Capitalismo e Escola no Brasil. Campinas, São Paulo: Papirus. 1990.

Downloads

Publicado

27-10-2022

Como Citar

SHIROMA, E. O.; ZANARDINI, I. M. S. Educação e ideologia do neodesenvolvimentismo: heteronomia no campo educacional . Roteiro, [S. l.], v. 47, p. e29677, 2022. DOI: 10.18593/r.v47.29677. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/29677. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)