Ensino remoto emergencial e a mediação de intérpretes de Libras no município de Timon - Maranhão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v47.27745

Palavras-chave:

Pandemia, Surdos, Inclusão

Resumo

A proposta da presente pesquisa pretende discutir as estratégias inclusivas adotadas por intérpretes de alunos surdos, em um estudo de caso realizado na cidade de Timon, no Estado do Maranhão, para compreender e direcionar o fazer pedagógico, sob a perspectiva da inclusão.O trabalho contextualiza-se durante o ensino remoto emergencial, no ano letivo de 2020, que vem alterando os processos interativos entre alunos e professores, impactando nas ações de inclusão e de aprendizagem. A pesquisa é de caráter qualitativo e o procedimento metodológico utilizado foi a entrevista compreensiva e focalizada, realizada com professores e intérpretes para coleta de dados, análises e interpretações a fim de investigar o seguinte problema: como se deu a inclusão de alunos surdos no contexto da pandemia? O arcabouço teórico que orienta este trabalho centra-se nos escritos de Vygotsky (1991) sobre o interacionismo social e aquisição da linguagem, além de Mantoan (2017), que apresenta estudos sobre inclusão; Quadros (2003; 2005) que trata sobre inclusão de surdos e Freire (1987) que propõe o protagonismo estudantil. Os resultados nos mostram que as atividades escolares, mediadas pela tecnologia, revelam o quão distantes estamos de nos tornarmos uma sociedade que pauta a Educação inclusiva e que tornar-se um professor inclusivo requer formação e mudança atitudinal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lílian de Sousa Sena, Secretaria de Educação do Estado do Maranhão

Mestranda em Educação Inclusiva pela Universidade Estadual do Maranhão - UEMA, Graduada em Letras - Português pela Universidade Estadual do Piauí (2004); Especialista em Língua Brasileira de Sinais - Libras e Docência do Ensino Superior pela Faculdade Evangélica do Meio Norte - FAEME (2019); Especialista em Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Portuguesa pela Faculdade Santo Agostinho - FSA (2008). Professora efetiva - Secretaria Estadual de Educação do Maranhão. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa, atuando principalmente nos seguintes temas: Produção Textual, Gramática e Literatura.

Márcia Raika e Silva Lima, Universidade Estadual do Maranhão

Doutora em Educação/UFPI (2016). Mestre em Educação/ UFPI (2010). Especialista em Educação Inclusiva e Especial com ênfase em Neurociência/ FARMAT (2020); em LIBRAS/ FAEME (2013); em Supervisão Escolar/UFPI (2000) e em Gestão Educacional/ UNICESP. (2009). Possui Graduação em Licenciatura em Pedagogia/UFPI. Atualmente trabalha como professora adjunto I no Centro de Estudos Superiores de Caxias/UEMA. Atua como Professora do Mestrado Profissional em Educação Inclusiva em rede UNESP/UEMA. Foi Gerente de Educação Especial do Estado do Piauí (2011-2014). Trabalhou no Núcleo de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação (2007-2008). Professora formadora na modalidade à distância do Núcleo de Educação à Distância-NEAD/UESPI(2013-2014). Tem experiência na área de Educação, trabalhando com as diferentes disciplinas da área da Pedagogia, com ênfase nas disciplinas de Psicologia (geral, do desenvolvimento e da aprendizagem), Educação Especial e Inclusiva e LIBRAS. Participou do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação na Psicologia Sócio-Histórica (UFPI). Participa do Grupo de Pesquisas Interdisciplinares: educação, saúde e sociedade e do Grupo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinar do Centro de Estudos Superiores de Caxias (GEPICESC). 

Ilka Márcia Ribeiro de Souza Serra, Universidade Estadual do Maranhão

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual do Maranhão (2001), mestrado em Fitossanidade Com Transferencia Direta Para o Doutorado pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2003) e Doutorado em Fitopatologia pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2006). Pós Doutorado pela Universidade de Coimbra, em Tecnologias Digitais. Professora Adjunto IV DE MICROBIOLOGIA do Depto. de Química e Biologia- UEMA. Atua na área de Agronomia e Biologia, com ênfase em Fitopatologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Taxonomia e Fisiologia de Fungos, Indução de Resistência, Microbiologia Geral e Microbiologia de Pescados e Ecologia de Recursos Pesqueiro. Cumulativamente, exerce a Coordenação Geral do Núcleo de Tecnologias para Educação da Universidade Estadual do Maranhão, representando-a junto ao Sistema Universidade Aberta do Brasil-UAB e à Rede e-Tec Brasil do Ministério da Educação. Nessa área, atua na pesquisa com enfoque em Gestão em EaD, TICS e EaD e Formação de Professores em cursos intermediados por tecnologias educacionais. Excerceu o cargo de Presidente do Forúm Nacional de Coordenadores da Universidade Aberta do Brasil-FORUAB/ CAPES de 2016 a 2019. E Integrante da Camara de EaD da Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (ABRUEM). E editora chefe da Revista cientifica TICs e EaD em Foco - UEMA

Referências

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

BRASIL. Decreto-lei n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 de dez. 2005, Seção 1, p. 30. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 02 fev. 2022.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 de abril de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 02 fev. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Política nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, DF, 2008.

FERNANDES, L. B.; SCHLESENER, A.; MOSQUERA, C. Breve histórico da deficiência e seus paradigmas. Revista do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia, Curitiba, v. 2, p. 132-144, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. 1. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832001000100016

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GIL, C. A. Métodos e técnicas em pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem na escola e a questão das representações sociais. EccoS Revista Científica, São Paulo: Universidade Nove de Julho, v. 4, n. 2, p. 79-88, dez. 2002. DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.v4i2.310

MANTOAN, M. T. E. Inclusão, diferença e deficiência: sentidos, deslocamentos, proposições. Revista Inclusão Social, Brasília, DF, v. 10, n. 2, p. 37-46, 2017. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2018v13n2.43010

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C. A. de; MORALES, O. E. T. (org.). Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. PG: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015. v. 2. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/mudando_moran.pdf. Acesso em: 02 fev. 2022.

MORAN, J. Metodologias ativas e modelos híbridos na educação. In: YAEGASH, S. e outros (org.). Novas Tecnologias Digitais: Reflexões sobre mediação, aprendizagem e desenvolvimento. Curitiba: CRV, 2017. p. 23-35. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2018/03/Metodologias_Ativas.pdf. Acesso em 02 fev. 2022

QUADROS, R. M. Situando as diferenças implicadas na educação de surdos: inclusão/exclusão. Revista Ponto de Vista, Florianópolis, n. 05, p. 81-111, 2003.

QUADROS, R. M. Políticas linguísticas: as representações das línguas para os surdos e a educação de surdos no Brasil. In: II CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL – II ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO DE PESQUISADORES DA EDUCAÇÃO ESPECIAL, 2005. Anais [...]. 2005.

SCHLEMMER, E.; DI FELICE, M.; SERRA, I. M. R. S. Educação OnLIFE: a dimensão ecológica das arquiteturas digitais de aprendizagem. Educar em Revista, Curitiba, v. 36, e76120, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.76120

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, L. S. (1896-1934). Pensamento e linguagem. Edição Eletrônica: Ed. Ridendo Castigat Mores, 2001.

ZAGO, N. A entrevista e seu processo de construção: reflexões com base na experiência prática de pesquisa. In: ZAGO, N.; CARVALHO, M. P.; VILELA, R. A. (org.). Itinerários de pesquisa. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

Downloads

Publicado

09-02-2022

Como Citar

SENA, L. de S.; SILVA LIMA, M. R. e; SERRA, I. M. R. de S. Ensino remoto emergencial e a mediação de intérpretes de Libras no município de Timon - Maranhão. Roteiro, [S. l.], v. 47, p. e27745, 2022. DOI: 10.18593/r.v47.27745. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/27745. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua