Qual a origem do saber do auxiliar de classe? Estudo sobre o não lugar profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v48.32247

Palavras-chave:

Auxiliares de classe;, Saberes;, Não lugar profissional.

Resumo

Esta pesquisa objetivou conhecer qual a origem dos saberes mobilizados pelas pessoas que exercem a função de auxiliar de classe[1] e a influência destes na construção do “não lugar” profissional. Trata-se de uma investigação qualitativa, exploratória realizada nos municípios de Itapetinga e Amargosa, na Bahia, com pessoas que atuam nas turmas de Educação Infantil como auxiliar de classe. Foram realizadas no ano de 2020 entrevistas via plataformas digitais com sete colaboradores. Constatou-se que várias são as fontes da origem dos saberes dos auxiliares, sendo as histórias de vida, as experiências pessoais e cotidianas, a formação acadêmico-profissional e a própria prática laboral. Também que o binômio cuidar-educar é de responsabilidade do professor, legitimado historicamente e legalmente e que há muitas diferenças na função de professor e auxiliar. Assim, tudo isso tem apontado para a construção de um “não lugar” profissional dos auxiliares de classe.

 

[1] Optamos por utilizar a nomenclatura auxiliar de classe, mas a função também é nomeada por: auxiliar de desenvolvimento infantil, pajem, assistente de classe, monitora etc. A variação na nomenclatura ocorre de região para região, pois não há um consenso acerca da função.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Livia Karen Figueredo de Jesus, Universidade Federal da Bahia

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB, no Centro de Formação de Professores - CFP. Ex-bolsista do Programa Institucional de Bolsa e Iniciação à Docência - PIBID, no subprojeto Organização do Trabalho Pedagógico Educação Infantil e Classes Multisseriadas. Mestre em Educação pelo PPGE da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Doutoranda em Educação pelo PPGE da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Didática e Ludicidade (GEPEL).

Lucia Gracia Ferreira , Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Pós-doutorado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-Itapetinga (UESB). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFBA e da UESB. Líder do Grupo de Pesquisa e Estudos Pedagógicos (CEPEP/ CNPq/UESB) e Docência, Currículo e Formação (CEPEP/ CNPq/UFRB).

Referências

ANDRADE, M. M. C. de; SEDANO, L. Presença masculina na educação infantil: um estudo sobre a cidade de Ilhéus/BA. In: VIEIRA, E. P.; SEDANO, L. (org.). A educação infantil em debate: crianças, linguagens e formação docente. Curitiba: CRV, 2019. p. 195-201.

AMARGOSA (BA). Edital nº 001/2012. Concurso público para provimento de vagas em cargos e formação de cadastro de reserva da prefeitura municipal de Amargosa. Amargosa, 2012.

AMARGOSA (BA). Edital nº 003/2015.Concurso público para provimento de cargos permanentes da Prefeitura Municipal de Amargosa e da Câmara Municipal de Amargosa. Amargosa, 2015.

AQUINO, L. M. M. L. L. de. Professoras de educação infantil e saber docente. TEIAS. Rio de Janeiro, ano 6, n. 11-12, p.1-12, jan./dez. 2005.

AUGÉ, M. Não lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Tradução Maria Lúcia Pereira. Campinas, SP: Papirus, 1994.

AUXILIAR. In: DICIO, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2021. Disponível em: https://www.dicio.com.br/auxiliar/. Acesso em: 08 abr. 2021.

AZEVEDO, H. H. O. de. Educação Infantil e Formação de Professores: para além da separação cuidar-educar. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo. Edições 70, LDA, 2010.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Portugal: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 27833, 23 dez. 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de junho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 13563, 16 jul. 1990. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm.

BRASIL. Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1, 26 jun. 2014. [Diário Extra]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 02 jan. 2020.

CAMPOS, M. M. Educar e cuidar: questões sobre o perfil do profissional de Educação Infantil. In: Por uma Política de Formação do Profissional de Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF/DPE/COEDI, p. 31-42, 1994.

CAREGNATO R. C. A. MUTTI, R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto & Contexto - Enfermagem, Florianópolis, p. 679- 684, out./dez. 2006.

CERISARA, A. B. Professoras de Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

CERISARA, A. B. Educar e cuidar: por onde anda a educação infantil? Perspectiva. Florianópolis, v.17, n. Especial, p. 11-2, jul./dez. 1999.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CONCEIÇÃO DA FEIRA (BA). Diário Oficial do Município. 11 de março de 2019, Ano IX, N°01407. Conceição da Feira. Disponível em: encurtador.com.br/cjrJ2. Acesso em: 11 mar. 2019.

D'ÁVILA, Cristina; FERREIRA, Lúcia Gracia. Saberes Estruturantes da Prática Pedagógica Docente: um repertório para a sala de aula. In: D'ÁVILA, Cristina; MARIN, Alda Junqueira; FRANCO, Maria Amélia Santoro; FERREIRA, Lúcia Gracia. Didática: saberes estruturantes e formação de professores. Salvador: EDUFBA, p. 33-49, 2019.

DUBAR, C. A Socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Tradução: Andréa Stahell M. da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DUMONT-PENA, É.; SILVA, I. O. e. Aprender a cuidar: diálogos entre saúde e educação infantil. São Paulo: Cortez, 2018.

FERRAZ, Rita de Cássia Souza Nascimento; FERREIRA, Lúcia Gracia; FERREIRA, Lucimar Gracia; ALMEIDA, Manuela Trindade de. Saberes e experiência: formação de professores da rede pública em atividades extensionistas. Revista Conexão UEPG, Ponta Grossa, v. 13, n. 3, p. 390-401, set./dez. 2017. Disponível em: encurtador.com.br/mqrt0. Acesso em: 20 jan. 2018.

FERREIRA, Lúcia Gracia; FERREIRA, Lucimar, Gracia; FERREIRA, Adriana Guerra. Fazer docente: reflexões em torno da formação, do trabalho e das especificidades da área de atuação docente. In: Encontro Luso Brasileiro sobre trabalho docente e formação políticas, práticas e investigação: pontes para a mudança, 2., 2013. Porto. Anais [...]. Porto, Portugal: CIIE, p. 224-231, 2014. Disponível em: encurtador.com.br/aeflY. Acesso em: 15 abr. 2021.

FERREIRA, Lúcia Gracia; FERRAZ, Rita de Cássia Souza Nascimento. (org.). Formação docente: identidade, diversidade e saberes. Curitiba: CRV, 2014.

FERREIRA, Lúcia Gracia. Professores da zona rural em início de carreira: narrativas de si e desenvolvimento profissional. 2014. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de São Carlos: São Carlos - SP. 2014.

FERREIRA, Lúcia Gracia. Formação de professores e ludicidade: reflexões contemporâneas num contexto de mudanças. Revista De Estudos em Educação e Diversidade, v. 1, n. 2, p.410-43, 2020. Disponível em: encurtador.com.br/dnK26. Acesso em: 13 jan. 2021.

FERREIRA, Lúcia Gracia. Professoras da zona rural: formação, identidade, saberes e práticas. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação e Contemporaneidade) - Universidade do Estado da Bahia: Salvador, 2010.

FERREIRA, Lúcia Gracia. Mandalas Pedagógicas no processo ensino-aprendizagem: saberes e sabores na formação docente. Práxis Educacional, v. 15, n. 35, p. 61-76, 2019. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5660. Acesso em: 11 ago. 2020

FREIDSON, E. Para uma análise comparada das profissões: a institucionalização do discurso e do conhecimento formais. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 11, n. 31, p. 1-11, jun. 1996.

FREIRE, Zildiane de Jesus; FERREIRA, Lucia, Gracia. Saberes e fazeres de professoras da educação infantil. REVISTA FORMAÇÃO@DOCENTE - Belo horizonte - v. 12, n. 2, p.1-25, jul./dez. 2020. Disponível em: encurtador.com.br/ilnU2. Acesso em: 23 jan. 2021.

GAUTHIER, C.; MARTINEAU, S.; DESBIENS, J-F.; MALO, A.; SIMARD, D. Por uma teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí, RS: Editora UNIJUÍ, 1998.

GRZYBOWSKI, C. Esboço de uma alternativa para pensar a educação no meio rural. Contexto & Educação. Ijuí, UNIJUÍ, Ano I, nº 04, p. 47-59, out/dez., 1986.

JESUS, Lívia Karen Figueredo de. “Eu sou só a auxiliar”: uma análise da construção identitária das auxiliares de classe na cidade de Amargosa. 2018. Monografia (Graduação em Pedagogia) - Centro de Formação de Professores, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Amargosa-BA, 2018.

JESUS, Livia Karen Figueredo de; CORDEIRO, Karina de Oliveira Santos. Cuidar e educar na creche: o planejamento pedagógico e a atuação das auxiliares de classe. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 17, n. 48, p. 1- 20, 2021. Disponível em: encurtador.com.br/aBMRS. Acesso em: 12 set. 2021.

JOVCHELOVITCH, S.; BAUER, M. W. Entrevista narrativa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Petrpolis, RJ: Vozes, p. 90-113, 2002.

KUHLMANN JR, M. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. 7 ed. Porto Alegre: Mediação, 2015.

KRAMER, S.; NUNES, M. F. R.; PENA, A. Crianças, ética do cuidado e direitos: a propósito do Estatuto da Criança e do Adolescente. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 46, p.1-18, 2020.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, nº 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

MARCÍLIO, M. L. A roda dos expostos e a criança abandonada na história do Brasil: 1726-1950. In: FREITAS, M. C. de (org.) História social da infância no Brasil. 9. ed. São Paulo: Cortez, p.69-97, 2016.

OLIVEIRA, T. G. de. Docência e educação infantil: condições de trabalho e profissão docente. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: MG, 2017.

PIRES, M. das G. P. Os saberes e não saberes de professores de língua portuguesa: perspectiva formativa. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Educação. Salvador, 2019.

IRES, Maria das Graças Porto; FERREIRA, Lúcia Gracia. Los saberes y no saberes de professorado de lengua portuguesa: perspectiva formativa. Saberes y Prácticas. Revista de Filosofía y Educación, v. 6, n. 1, p. 1–17, 2021. Disponível em: encurtador.com.br/apuzS. Acesso em: 10 ago. 2021.

SANTOS, H. N.; Trabalho docente na educação infantil: para pensar a formação dos professores. Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 29, n. 1, p. 96-109, jan./mar. 2019.

SANTOS, Helder Neres; FERREIRA, Lúcia Gracia. Trabalho docente na educação infantil: para pensar a formação dos professores. Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 29, n. 1, p. 96-109, jan./mar. 2019. Disponível em: encurtador.com.br/iqZ68. Acesso em: 07 jan. 2021.

SILVA, M. A. A. da. Docência universitária na Licenciatura em Química: uma análise dos saberes de experiência e da ação pedagógica. 2021. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia: Salvador-BA, 2021.

SOBRAL, C. M. A. Saberes profissionais de professoras da Educação Infantil: um estudo experiencial nos centros municipais de educação infantil. Ibicaraí: Via litterarum, 2017.

TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. 16 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TIRIBA, L. Educar e Cuidar: Buscando a Teoria para Compreender os Discursos e as Práticas. In: KRAMER, S. (org.). Profissionais da Educação Infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, p. 66-86, 2005a.

TIRIBA, L. Educar e cuidar ou, simplesmente, educar? Buscando a Teoria para compreender discursos e práticas. In: XXVIII Reunião Anual da ANPED: 40 ANOS de pós-graduação em educação no Brasil. Caxambu /MG. Anais [...]. Anped, p. 1-17, 2005b. Disponível em: encurtador.com.br/gBKV5. Acesso em: 20 out. 2020.

THERRIEN, J. O Saber social da prática docente. Educação & Sociedade. v. 46, p. 408-418, 1993.

UZÊDA, L. C. de O. De “Babás de Luxo” a Professoras: narrativas Autobiográficas, Formação e Docência na Educação Infantil. 2007. Dissertação (Mestrado em Educação e Contemporaneidade) - Universidade do Estado da Bahia: Salvador, 2007.

VASCONCELLOS, V. M. R. de; AQUINO, L. M. M. L. L. de; DIAS, A. A. Educação infantil: pesquisa e temas. In: VASCONCELLOS, V. M. R. de; AQUINO, L. M. M. L. L. de; DIAS, A. A. (org.) Psicologia & Educação Infantil. Araraquara/SP: Junqueira & Marin, p. 9- 28, 2008.

Downloads

Publicado

20-12-2023

Como Citar

JESUS, L. K. F. . de; GRACIA FERREIRA , L. Qual a origem do saber do auxiliar de classe? Estudo sobre o não lugar profissional. Roteiro, [S. l.], v. 48, p. e32247, 2023. DOI: 10.18593/r.v48.32247. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/32247. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua