O empresariamento da educação superior e as tecnologias de intensificação do trabalho docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v47.27339

Palavras-chave:

educação superior, privatização, trabalho docente, intensificação, racionalidade empresarial

Resumo

O empresariamento da educação superior, preconizado pela racionalidade capitalista (toyotista/neoliberal) e impulsionado pelas novas tecnologias digitais, têm provocado o esfacelamento da fronteira entre trabalho e vida privada, elevando o estresse, o sofrimento e o adoecimento do trabalhador docente. Tendo em vista essa assertiva, a pesquisa tem por objetivo analisar os mecanismos empregados pela racionalidade empresarial, em ascensão no âmbito da educação superior, para ampliar o desempenho do trabalhador docente, de modo a sujeitá-los a jornadas extenuantes e a ritmos intensos de trabalho. Trata-se de um estudo exploratório, quanto aos objetivos, e bibliográfico, centrado no materialismo histórico-dialético, quanto aos procedimentos. Nesse sentido, a primeira seção versa sobre os mecanismos de “captura” e manipulação da subjetividade do trabalhador pelo modelo de gestão da produção aos moldes toyotistas e pela flexibilização dos direitos trabalhistas imposta pelo projeto hegemônico neoliberal. Na sequência, busca-se compreender o processo de expansão da racionalidade “empresarial competitiva” e de aprofundamento da ideologia do empreendedorismo no âmbito da educação superior. Para isso, tornam-se objetos de análise as tecnologias políticas de privatização (endógena e exógena) e as mudanças nas condições de trabalho docente, que, por sua vez, contribuem para a formação de uma subjetividade empresarial (produtivista e concorrencial). Por fim, analisam-se os mecanismos de implementação de uma cultura performativa, determinada pelo poder dos números e da lucratividade, cujas implicações recaem sobre a jornada de trabalho, os projetos de vida e a saúde física e emocional dos trabalhadores docentes da educação superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Bechi, Universidade de Passo Fundo

Doutor em Educação no Programa de Pós-Graduação da Universidade de Passo Fundo (Linha de Políticas Educacionais). Possui graduação em Filosofia, especialização em Metodologia para o Ensino da Filosofia (2009) e mestrado em educação (bolsista Capes) pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo (UPF) (Linha de Políticas Educacionais). Tem direcionado seus estudos e pesquisas no campo das políticas educacionais, priorizando os seguintes temas: estado, reformas educacionais, políticas públicas, políticas da educação básica e superior no Brasil e na América Latina, financiamento da educação superior, formação de professores, precarização e intensificação do trabalho docente e formação para a cidadania
democrática. Atualmente, desempenha a função de editor de seção na Revista Internacional de Educação Superior (RIESup/Unicamp). É pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Superior (GEPES – UPF) e participa do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas de Educação Superior da Região Sul (GEPPES UNOESC/SUL).

Referências

AGOSTINI, R. MEC cortará verba de universidade por 'balbúrdia' e já enquadra UnB, UFF e UFBA. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 30 abr. 2019. Disponível em: https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,mec-cortara-verba-de-universidade-por-balburdia-e-ja-mira-unb-uff-e-ufba,70002809579. Acesso em: 8 ago. 2019.

ALVES, G. Dimensões da Reestruturação Produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. Londrina: Praxis, 2007.

ALVES, G.; MORAES, L. Trabalho e estratégias empresariais no capitalismo global: toyotismo e “captura” da subjetividade. Revista Mediações, v. 11, n. 1, p. 105-124, jan./jun. 2006. DOI: https://doi.org/10.5433/2176-6665.2006v11n1p105

ALVES, G. Trabalho e mundialização do capital: a nova degradação do trabalho na era da globalização. Londrina: Praxis, 1999.

ALVES, G. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo, 2011.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

ANTUNES, R.; PRAUN, L. A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serv. Soc. Soc., n. 123, p. 407-427, jul./set. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0101-6628.030

ARANTES, A. C. Q. A morte é um dia que vale a pena viver: e um excelente motivo para se buscar um novo olhar para a vida. Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2019.

BALL, S. J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de pesquisa, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez., 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742005000300002

BALL, S. J. Reformar escolas/ Reformar professores e os terrores da performatividade. Revista portuguesa de educação, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002.

BALL, S. J.; YOUDELL, Deborah. La privatisation déguisée dans le secteur éducatif public. Bruxelas: Internationale d l’éducation, 2007.

BANCO MUNDIAL. La Ensenãnza Superior: las perspectivas de La experiência (El Desarrollo em la práctica). 1. ed. em espanhol. Washington/DC: BIRD/Banco Mundial, 1995.

BECHI, D. A subjetivação capitalística como mecanismo de precarização do trabalho docente na educação superior brasileira. 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2019.

BIANCHETTI, L.; ZUIN, A. A. S.; FERRAZ, O. Publique, apareça ou pereça: produtivismo acadêmico, “pesquisa administrada” e plágio nos tempos de cultura digital. Salvador: Edufba, 2018. DOI: https://doi.org/10.7476/9788523220181

BRUNNER, J. J. et al. Circulación y recepción de la teoría del “capitalismo académico” en América Latina. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 27, n. 79, 2019. DOI: https://doi.org/10.14507/epaa.27.4368

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

FÁVERO, A. A.; BECHI, D. A subjetivação capitalista enquanto mecanismo de precarização do trabalho docente na educação superior. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 28, n. 13, 2020. DOI: https://doi.org/10.14507/epaa.28.4891. DOI: https://doi.org/10.14507/epaa.28.4891

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo, SP: Loyola, 2014.

LAVAL, C. L’économie de la connaissance et la transformation de l’enseignement supérieur et de la recherche. Bulletin de l’ASES, v. 42, Mars 2015.

LIMA, K. R. S. O Banco Mundial e a educação superior brasileira na primeira década do novo século. Ensaio, v. 14, n. 1, p. 86-94, jan./jun. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-49802011000100010

LUENGO NAVAS, J. et al. Nuevas formas, nuevos actores y nuevas dinâmicas de la privatización em educación Profesorado. Revista de Currículum y Formación de Profesorado, v. 16, n. 3, p. 3-12, sept./dic. 2012.

LUENGO NAVAS, J.; SAURA CASANOVA, G. La performatividad en la educación. La construcción del nuevo docente y el nuevo gestor performativo. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, v. 11, n. 3, p. 139-153, 2013.

MANCEBO, D. et al. O trabalho na educação superior. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 28, n. 6, 2020. DOI: https://doi.org/10.14507/epaa.28.5158

MAUÉS, O. C.; SOUZA, M. B. Precarização do trabalho do docente da educação superior e os impactos na formação. Em Aberto, v. 29, n. 97, p. 73-85, set./dez. 2016.

MEC VAI CORTAR verba de universidades que tiverem 'baixo desempenho' e fizerem 'balbúrdia'. O Globo, São Paulo, 15 maio 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/mec-vai-cortar-verba-de-universidades-que-tiverem-baixo-desempenho-fizerem-balburdia-23631766. Acesso em: 8 ago. 2019.

MESSEMBERG, D. A direita que saiu do armário: a cosmovisão dos formadores de opinião dos manifestantes de direita brasileiros. Revista Sociedade e Estado, v. 32, n. 3, set./dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s0102-69922017.3203004

MIRANDA, E. M.; LAMFRI, N. Z. Globalización neoliberal y productivismo acadêmico: sus efectos em el trabajo de los profesores-investigadores de universidades argentinas. In: CUNHA, C.; JESUS, W. F.; SOUZA, M. de F. M. (org.). Políticas de educação: cenários globais e locais. Brasília: Liber livros, 2016.

MORAES, R. Estácio de Sá demite 1,2 mil professores após reforma trabalhista. Folha de S. Paulo, São Paulo, 5 dez. 2017. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/12/1940980-estacio-de-sa-demite-12-mil-professores-apos-reforma-trabalhista.shtml. Acesso em: 15 dez. 2020.

RHOADES, G.; SLAUGHTER, S. Academic capitalism, managed professionals, and supply-side higher education. Social Text 51, v. 15, n. 2, Summer, 1997. DOI: https://doi.org/10.2307/466645

SANTOS, S. D. A precarização do trabalho docente no Ensino Superior: dos impasses às possibilidades de mudanças. Educar em Revista, n. 46, p. 229-244, out./dez. 2012 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40602012000400016

SAURA CASANOVA, G.; BOLÍVAR, A. Sujeto acadêmico neoliberal: cuantificado, digitalizado y bibliometrificado. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, v. 17, n. 4, p. 9-26, sept. 2019. DOI: https://doi.org/10.15366/reice2019.17.4.001

SCHUGURENSKY, D.; NAIDORF, J. Parceria universidade-empresa e mudanças na cultura acadêmica: análise comparativa dos casos da Argentina e do Canadá. Educ. Soc., v. 25, n. 88, p. 997-1022, out. 2004. Edição Especial. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000300017

SILVA JÚNIOR, J. R. The new brazilian university: a busca por resultados comercializáveis: para quem? Bauru: Canal 6, 2017.

SOUSA, A. P. Productivisme et souffrance chez les enseignants-chercheurs au Brésil. Pensée plurielle, v. 38, p. 45-64, 2015. DOI: https://doi.org/10.3917/pp.038.0045

ZUIN, A. A. S.; BIANCHETTI, L. Na era do “publique, apareça ou pereça”: um equilíbrio difícil e necessário. Cadernos de Pesquisa, v. 45, n. 158, p. 726-750, out./dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/198053143294

Downloads

Publicado

23-12-2021

Como Citar

BECHI, D. O empresariamento da educação superior e as tecnologias de intensificação do trabalho docente. Roteiro, [S. l.], v. 47, p. e27339, 2021. DOI: 10.18593/r.v47.27339. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/27339. Acesso em: 3 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua