Formação continuada docente como lugar de experiências: comunidade de aprendizagem e as lições da pandemia da Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v48.30657

Palavras-chave:

Formação continuada, Universidade e escola, Comunidade de aprendizagem, Pandemia da Covid-19, Aporte Tecnológico

Resumo

Este artigo tem por objetivo evidenciar a formação continuada como lugar que movimenta experiências e possibilidades, no entrelaçamento entre universidade e escola. Intenciona colaborar na premissa da possibilidade de organizar um processo formativo através de comunidade de aprendizagem, por meio de aportes digitais. Argumenta-se que é necessário pensar a formação continuada enquanto um “lugar” mobilizador da docência, de compartilhar experiências, produzir saberes e de profissionalização contínua, com o propósito de fomentar novas práticas, vivências e aprendizagens. Ainda, reflete e indica que esse movimento é possível de ser realizado por meio de aportes tecnológicos, considerando que, se a pandemia nos trouxe lições de isolamento e solidão, as respostas a ela nos ensinaram novas formas e aparatos de comunicação, evidenciando o diálogo e o aprender em comunidade. Este estudo é de cunho bibliográfico, tendo âncora em autores como Candau (1999), Fiorentini (2009, 2010), Imbernón (2009, 2010), Lévy (1999, 2007), Nóvoa (1997, 2009, 2017, 2020, 2022), Sacristán (1999), Tardif (2002) e Veiga (2008). Pode-se afirmar que a formação continuada, a partir de comunidade de aprendizagem, contribui na apropriação e reelaboração de saberes pensados e refletidos no coletivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliane Cláudia Piovesan Piovesan, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões

JULIANE CLÁUDIA PIOVESAN é doutoranda em Educação - Programa de Pós-graduação em Educação (PPGEDU) da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Câmpus de Frederico Westphalen-RS, vinculada à Linha de Pesquisa Formação de Professores, Saberes e Práticas Educativas. Faz parte do Grupo de Pesquisa em Educação e Tecnologias da URI. Mestre em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos e Graduada em Pedagogia pela da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Câmpus de Frederico Westphalen-RS. E-mail: juliane@uri.edu.br

Lucí Teresinha Marchiori dos Santos Bernardi, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI

 

LUCÍ TERESINHA MARCHIORI DOS SANTOS BERNARDI  é doutora em Educação Científica e Tecnológica e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduada em Matemática pela Universidade de Passo Fundo (UPF). Professora pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI/FW), vinculada à Linha de Pesquisa Formação de Professores, Saberes e Práticas Educativas. E-mail: lucisantosbernardi@gmail.com

Referências

ALARCÃO, I.; TAVARES, J. Supervisão pedagógica: uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. Coimbra: Almedina, 2003.

AUGÉ, M. Não lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. São Paulo: Papirus, 2012.

BOLZAN, D. P. V. Formação de professores: compartilhando e reconstruindo conhecimentos. Porto Alegre: Mediação, 2002.

BONDÍA, J.; L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação. Jan/Fev/Mar/br, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf. Acesso em: 10 fev. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sobre a Doença. 2021. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca. Acesso em: 10 abr. 2021.

BRUNER, J. A cultura da educação. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CANDAU, V. M. Magistério: construção cotidiana. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

CIAMPA, A. C. Identidade. In: CODO, W.; LANE, S. T. M. (org.). Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, 1984.

COCHRAN-SMITH, M.; LYTLE, S. L. Teacher learning communities. In: GUTHRIE, James (Ed.). Encyclopedia of Education. New York: Macmillan, 2002.

FERREIRA, L. S. Trabalho Pedagógico na Escola: do que se fala? Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 43, n. 2, p. 591-608, jun. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2175-623664319. Acesso em: 02 jan. 2020.

FIORENTINI, D. et al. Práticas de formação e de pesquisa de professores que ensinam matemática. Campinas: Editora Mercado das Letras, 2009.

FIORENTINI, D. Desenvolvimento Profissional e Comunidades Investigativas. In: DALBEN, Â.; DINIZ, J.; LEAL, L., SANTOS, L. (org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: Educação Ambiental; Educação em Ciências; Educação em Espaços não-escolares; Educação Matemática. 1ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, v. 1, p. 570-590, 2010.

FULLAN, M.; HARGREAVES, A. A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

GARCIA, C. M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Portugal: Porto Editora, 1999.

HARGREAVES, A. Os professores em tempos de mudanças: o trabalho e a cultura dos professores na Idade Pós-Moderna. Alfragide: McGraw-Hill, 1999.

HOLZER, W. O lugar na geografia humanista. Revista Território. Rio de janeiro. UFRJ. Ano 4, n. 7, p. 67-78, jul/dez. 1999.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: Novas Tendências. São Paulo: Editora Cortez, 2009.

KENSKI, V. M. Tecnologias e tempo docente. São Paulo: Papirus, 2013.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LÉVY, P. O que é virtual? São Paulo: Editora 34, 2007.

LIMA, A. M. L. Santa felicidade entre calçadas, ruas e avenidas: trilhas urbanas para pés caminhantes. 2008. 164 páginas. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal do Paraná. Paraná. 30 mar. 2008.

LÓCUS. Dicionário Informal. Disponível em: https://www.dicionarioinformal.com.br/l%C3%B3cus/. Acesso em: 10 jan. 2022.

LOPES, R. P. Um novo professor: novas funções e novas metáforas. In: ASSMANN, Hugo. Redes digitais e metamorfose do aprender. Petrópolis: Vozes, p. 13-32, 2005.

NOGUEIRA, A. R. B. Percepção e representação gráfica: a “geograficidade” nos mapas mentais dos comandantes no amazonas. Tese de doutorado. Departamento de Geografia da USP. São Paulo, 2001.

NÓVOA, A. (org.). Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997, p. 15- 34.

NÓVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cad. Pesqui. [online]. 2017, vol.47, n.166, pp.1106-1133. Disponível em https://doi.org/10.1590/198053144843. Acesso em: 10 jan. 2022.

NÓVOA, A. Formação de professores em tempo de pandemia. 2020. Webconferência. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ef3YQcbERiM. Acesso em: 26 fev. 2020.

NÓVOA, A. Professores: Imagens do futuro presentes. Lisboa: Educa, 2009.

NÓVOA, A. Escolas e Professores - Proteger, Transformar, Valorizar. Salvador: SEC/IAT, 2022.

PENIN, S.; MARTÍNEZ M.; ARANTES V. Profissão docente: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2009.

PIMENTA, S. G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educ. Pesqui. [online]. 2005, vol.31, n.3, p. 521-539. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000300013. Acesso em: 12 fev. 2022.

RESENDE, M. S. A geografia do aluno trabalhador: caminhos para uma prática de ensino. Coleção Educação Popular. São Paulo: Edições Loyola, 1986.

ROLDÃO, M. C. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 94-181, jan./abr. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a08v1234.pdf. Acesso em: 10 fev. 2022.

SACRISTÁN, G. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: ARTMED Sul, 1999.

SANTOS, B. S. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Edições Almedina, abr. 2020. Disponível em: https://www.abennacional.org.br/site/wp-content/uploads/2020 /04/Livro_Boaventura.pdf. Acesso: 29 mar. 2022.

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1997. p. 79-91.

SHULMAN, L. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. In: SHULMAN, L. The wisdom of practice: essays on teaching and learning to teach. San Francisco, Jossey-Bass, p.1-14, 2004.

STRECK, D. R.; REDIN E.; ZITKOSKI, J. J. (org.). Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

TARDIF, J.; FOUCHER, C. Um conjunto de balizas para a avaliação da profissionalidade dos professores. In: ALVES, M. P.; MACHADO, E. A. (org.). O polo de excelência: caminhos para a avaliação do desempenho docente. Porto: Areal Editores, p. 32-53, 2010.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TUAN, Y. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. (Trad. Lívia de Oliveira). São Paulo: Difel, 2014.

VEIGA, I. P. A.; D´ÁVILA, C. M. (org.). Profissão docente: novos sentidos, novas perspectivas. Campinas: Papirus, 2008.

ZEICHNER, K. M. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.

Downloads

Publicado

19-12-2023

Como Citar

PIOVESAN, J. C. P.; BERNARDI, L. T. M. dos S. Formação continuada docente como lugar de experiências: comunidade de aprendizagem e as lições da pandemia da Covid-19. Roteiro, [S. l.], v. 48, p. e30657, 2023. DOI: 10.18593/r.v48.30657. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/30657. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua