Como ensinar frações? Práticas que (in)formam o professor que ensina matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v43i3.16083

Palavras-chave:

Ensino de frações, Anos iniciais, Educação Matemática, Práticas

Resumo

Neste artigo discute-se sobre a formação do professor que ensina matemática nos anos iniciais, em especial no que se refere ao ensino de frações. O corpus de análise selecionado para este texto se constitui do caderno de matemática de um programa de formação continuada de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental, de uma entrevista com uma professora de Didática da Matemática que atuou na formação de professores na década de 1970 e de seu caderno de planejamento. Para realizar as análises, adotamos uma perspectiva teórica pós-crítica associada aos estudos de Ludwig Wittgenstein. O que defendemos é que os conceitos são produzidos a partir dos usos, em conformidade com suas regras gramaticais, e que os significados de uma palavra e os significados das proposições matemáticas são produzidos nos diferentes jogos de linguagem. Das análises empreendidas no material, foram organizados dois enunciados: a) Ensinar frações: “trazer um bolo” e “fazer um desenho” e b) “Lembrar seu significado” para ensinar o conceito de frações. A partir desses enunciados, problematizamos que os conceitos matemáticos são normas que independem do cotidiano e de aspectos empíricos, intuitivos ou indutivos. Desse modo, sugerimos que o professor tenha conhecimento da natureza das proposições matemáticas e se responsabilize pelo ensino de suas regras, não trazendo a utilidade dos conceitos, mas as convenções produzidas pela linguagem matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Cristina Cezar Pozzobon, Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Doutora em Educação. Professora do Curso de Pedagogia.

Cláudio José de Oliveira, Universidade de Santa Cruz do Sul

Doutor  em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS;

Referências

AEBLI, H. Didática psicológica: aplicação à didática da psicologia de Jean Piaget. São Paulo: Nacional, 1978.

BELLO, S. E. L. Jogos de linguagem, práticas discursivas e produção de verdade: contribuições para a educação (matemática) contemporânea. Revista Zetetiké, Unicamp, v. 18, 2010. Número temático.

BRASIL. Pró-Letramento: Programa de Formação Continuada de Professores dos Anos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental: matemática. Fascículo 4. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

COUTINHO, K. D.; SOMMER, L. H. Discursos sobre a formação de professores e arte de governar. Currículo sem Fronteiras, v. 11, n. 1, p. 86-103, jan./jun. 2011.

DÍAZ, M. Foucault, docentes e discursos pedagógicos. In: SILVA, T. T. (Org.). Liberdades reguladas: a pedagogia construtivista e outras formas de governo do eu. Petrópolis: Vozes, 1998.

FABRIS, E. T. H. A relação universidade e escola de educação básica na produção da docência contemporânea. Relatório de pesquisa. Financiado pelo CNPq/Unisinos. 2012.

FIORENTINI, D. Alguns modos de ver e conceber o ensino da Matemática no Brasil. Revista Zetetiké, ano 3, n. 4, 1995.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FOUCAULT, M. Diálogo sobre o poder. In: FOUCAULT, M. (Org.). Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT, M. Do governo dos vivos. Curso no Collège de France, 1979-1980 (excertos). São Paulo: CCS; Rio de Janeiro: Achiamé, 2010.

GLOCK, H. Dicionário Wittgenstein. Tradução Helena Martins. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

GOTTSCHALK, C. M. C. A construção e transmissão do conhecimento matemático sob uma perspectiva Wittgensteiniana. Cadernos Cedes, Campinas, v. 28, n. 74, p. 75-96, jan./abr. 2008. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 20 jun. 2009.

GOTTSCHALK, C. M. C. A natureza do conhecimento matemático sob a perspectiva de Wittgenstein: algumas implicações educacionais. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, série 3, v. 14, n. 2, p. 305-334, jul./dez. 2004.

GOTTSCHALK, C. M. C. Fundamentos filosóficos da matemática e seus reflexos no contexto escolar. International Studies on Law and Education. CEMOrOc-Feusp/IJI-Uni. Do Porto, set./dez. 2014. Disponível em:

<http://www.hottopos.com/isle18/73-82Cristiane.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2014.

GOTTSCHALK, C. M. C. O papel da linguagem no ensino e na aprendizagem da perspectiva de uma pragmática filosófica de inspiração wittgensteiniana. In: ANPED, 28., 2005, Caxambu. Anais... Caxambu, 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2009.

GOTTSCHALK, C. M. C. Uma concepção pragmática de ensino e aprendizagem. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 459-470, set./dez. 2007.

HEBECHE, L. O mundo da consciência: ensaio da filosofia da psicologia L. Wittgenstein. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

HEBECHE, L. Não pense, veja – sobre a noção de “semelhanças de família” e Wittgenstein. Veritas, v. 48, n. 1, p. 31-58, 2003.

LAVE, J. Do lado de fora do supermercado. In: FERREIRA LEAL, M. (Org.). Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos. São Paulo: Global, 2002.

MIGUEL, A.; VILELA, D. S.; MOURA, A. R. L. de. Problematização indisciplinar de uma prática cultural numa perspectiva wittgensteiniana. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 20, n. 2, p. 6-32, jul./dez. 2012.

MIGUEL, A.; VILELA, D. S. Práticas escolares de mobilização de cultura matemática. Cadernos Cedes, Campinas, v. 28, n. 74, p. 97-120, jan./abr. 2008.

MORENO, A. R. Wittgenstein – através das imagens. Campinas: Ed. Unicamp, 1995.

POZZOBON, M. C. C. Práticas de ensino de Matemática: regimes e jogos na formação do professor de anos iniciais (1960-2000). 2012. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2012.

SILVA, P. V. da. O aprendizado das regras matemáticas: uma pesquisa de inspiração wittgensteiniana com crianças da 4ª série no estudo da divisão. 2011. 102 p. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas)–Universidade Federal do Pará, Pará, 2011.

SILVA, P. V. da; SILVEIRA, M. R. A. da. Matemáticas ou diferentes usos da matemática? Reflexões a partir da filosofia de Wittgenstein. Acta Scientiarum Education, Maringá, v. 35, n. 1, p. 125-132, jan./jun. 2013.

SILVEIRA, M. R. A. da. Aplicação e interpretação de regras matemáticas. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 1a, n. 1, p. 93-113, 2008.

SILVEIRA, M. R. A. da; SILVA, P. V. da. O cálculo e a escrita matemática na perspectiva da filosofia da linguagem: domínio de técnicas. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 469-483, 2016.

VEIGA-NETO, A. Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

VILELA, D. S. A terapia filosofia de Wittgenstein e a educação matemática. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 24, n. 48, jul./dez. 2010.

VILELA, D. S. Matemática nos usos e jogos de linguagem: ampliando concepções na Educação Matemática. 2007. 260 p. Tese (Doutorado em Educação)–Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

VILELA, D. S. Usos e jogos de linguagem na matemática: diálogo entre filosofia e educação matemática. São Paulo: Livraria da Física, 2013.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

WITTGENSTEIN, L. Observaciones sobre los fundamentos de la matemática. Madrid: Alianza Editorial, 1978.

Downloads

Publicado

19-12-2018

Como Citar

POZZOBON, M. C. C.; OLIVEIRA, C. J. de. Como ensinar frações? Práticas que (in)formam o professor que ensina matemática. Roteiro, [S. l.], v. 43, n. 3, p. 1001–1026, 2018. DOI: 10.18593/r.v43i3.16083. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/16083. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua