Interações com Famílias via WhatsApp e as Práticas de Numeramento/Letramento Matemático Evidenciadas no Ensino Remoto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/r.v48.30025

Palavras-chave:

Netnografia, Interações WhatsApp, Famílias, Numeramento/letramento matemático, Anos iniciais

Resumo

Analisamos dados produzidos no contexto de uma pesquisa que buscou analisar práticas de numeramento/letramento matemático mobilizadas por famílias, em um contexto de ensino remoto, durante o auxílio nas tarefas escolas propostas pelas professoras durante a pandemia. Para este fim, apoiamo-nos nos pressupostos da abordagem netnográfica, de natureza qualitativa, em um movimento de interação com um grupo de mães pelo WhatsApp. O referencial teórico apoiou-se na discussão sobre letramento, letramento matemático e da relação família-escola, a partir da contribuição de estudos anteriores. Em termos de resultados, diante do contato interativo virtual com mulheres-mães de crianças dos anos iniciais do Ensino Fundamental, autodeclaradas como responsáveis no apoio ao ensino em casa, é possível concluir que estas utilizam diferentes estratégias na intenção de auxiliar seus filhos, a saber: recorrem ao cálculo mental; incentivam a adoção de esquemas de ação para as operações matemáticas (como contar nos dedos); e à tecnologia, ao reconhecerem a relevância da calculadora em situações cujo o cálculo busca o pensamento inferencial (conclusão esta possível ao dialogar com os pesquisadores). A experiência em xeque possibilitou ainda reconhecer a necessidade de compreensão dos contextos culturais familiares de aprendizagem matemática das crianças, no sentido de partir da realidade delas para a produção de sentidos e significados matemáticos nas práticas de letramento escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Klinger Teodoro Ciríaco, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar - Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas - DTPP - CECH

Professor Adjunto do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas (DTPP) do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Doutor e Mestre em Educação pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" – FCT/UNESP, Presidente Prudente-SP. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE); do Programa de Pós-Graduação Profissional em Educação (PPGPE) da UFSCar; e do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática (PPGEduMat) da UFMS, Campo Grande.  Líder do "MANCALA – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Cultura e Formação Docente" (CNPq/UFSCar).

Brenda Cristina Antunes, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP.

Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) na linha de pesquisa "Educação em Ciências e Matemática"; Licenciada em Pedagogia pela UFSCar. Integrante do "MANCALA – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Cultura e Formação Docente" (CNPq).

Referências

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 13 nov. 2021.

CARRAHER, T. N.; CARRAHER, D. N.; SCHLIEMANN, A. D. Na Vida, Dez; Na Escola Zero. São Paulo: Cortez, 1988.

CIRÍACO, K. T. Mães, crianças e números na escola: uma discussão na perspectiva do letramento matemático em meios populares. 2009. 76f. Monografia (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, Três Lagoas-MS. 2009. (Versão impressa).

CIRÍACO, K. T.; SOUZA, N. M. M. de. Um estudo na perspectiva do letramento matemático: a Matemática das mães. Vidya. V. 31. N. 02. 2011. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/VIDYA/article/view/291. Acesso em: 15 mar. 2021.

CONTI, K. C.; VILELA, M. L.; DUARTE PINTO, N. K. Uso da calculadora nos anos iniciais do Ensino Fundamental: concepções dos futuros professores. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 24, n. esp., p. 53–67, 2018. DOI: 10.18764/2178-2229.v24n.especialp53-67. Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/8069. Acesso em: 4 jul. 2021.

CORRÊA, M. V.; ROZADOS, H. B. F. A netnografia como método de pesquisa em Ciência da Informação. Revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 22, n.49, p. 1-18, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-924.2017v22n49p1/34047.

Acesso em: 18 abr. 2021.

FELIX, E.; AZEVEDO, A. J. de. Geometria: como trabalhar os conceitos geométricos nas séries iniciais do ensino fundamental. Revista Científica de Ciências Aplicada da FAIP, Marília. 1-14, 2015. Disponível em: http://www.faip.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/5IUql47VQIzMdeH_2015-5-18-22-1-56.pdf. Acesso em: 17 abr. 2021.

FONSECA, M. C. F. R. A Educação Matemática e a ampliação das demandas de leitura escrita da população brasileira. In: FONSECA, M. C. F. R. (org.). Letramento no Brasil: habilidades matemáticas. São Paulo: Global, 2004. p.11-28.

GOULART, C. Letramento e polifonia: um estudo de aspectos discursivos do processo de alfabetização. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 18, set-dez 2001. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/275/27501802.pdf. Acesso em: 25 abr. 2021.

GRANDO, R. C.; MENDES, J. R. (org.). Múltiplos olhares: matemática e produção de conhecimento. São Paulo: Musa Editora, 2007.

GUIMARÃES, S. D. A prática regular de cálculo mental para ampliação e construção de novas estratégias de cálculo por alunos do 4º e 5º ano do Ensino Fundamental. 2009. 262f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS. Campo Grande-MS, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufms.br:8443/bitstream/123456789/84/1/Sheila.pdf. Acesso em: 20 mar. 2023.

GUIMARÃES, S. D. Cálculo mental: é possível uma prática pedagógica que favoreça seu desenvolvimento? Boletim GEPEM (On-line), v. 63, p. 137-149, 2013. Disponível em: http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/gepem.2014.039. Acesso em: 20 abr. 2021.

GUINTHER, A. O uso das calculadoras nas aulas de Matemática: concepções de professores, alunos e mães de alunos. In: XII Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática (EBRAPEM) Anais... UNESP, Rio Claro. 2008. Disponível em: http://www2.rc.unesp.br/eventos/matematica/ebrapem2008/upload/23-1-A-gt6_ariovaldo_ta.pdf. Acesso em: 19 abr. 2021.

KLEIMAN, A. B. (org.). Os significados do letramento: novas perspectivas sobre a prática social da escrita. Campinas, S.P.: Mercado de Letras, 1995.

KOZINETS, R. V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

LOOS, H. Atitude e desempenho em Matemática, crenças auto-referenciadas e família: uma path-analysis. 2003. 306f. Tese (Doutorado em Psicologia, Desenvolvimento Humano e Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003. Disponível em: https://www.psiem.fe.unicamp.br/pf-psiem/loos_helga_d.pdf. Acesso em: 15 jan. 2022.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U, 1995.

MAIA, D. S. Família e escola: o que as crianças do 1º ano têm a dizer? 2019. 267f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUC/RS, Porto Alegre. 2019. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8663. Acesso em: 25 mar. 2021.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MELO, W. C. Trajetórias escolares no município do Rio de Janeiro: estratégias familiares de escolarização. 2018. 124f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Rio de Janeiro. 2018. Disponível em: https://ppge.educacao.ufrj.br/disserta%C3%A7%C3%B5es2018/dWilliam%20Correa%20de%20Melo.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

MENDES, J. R. Matemática e práticas sociais: uma discussão na perspectiva do numeramento. In: GRANDO, R. C.; MENDES, J. R. (org.). Múltiplos olhares: matemática e produção de conhecimento. São Paulo: Musa Editora, 2007. p. 11-29.

RAMPAZZO, Lino. Metodologia Científica [para alunos dos cursos de graduação e pós-graduação]. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

SELVA, A. C. V.; BORBA, R. E. S. R. O uso da calculadora nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

SILVA, A. H.; VILHEGAS, V. P. P. IHC em dispositivos móveis – análise do aplicativo whatsapp. In: Encontro de Iniciação Científica das Faculdades Integradas "Antonio Eufrásio de Toledo", 9, Anais... Presidente Prudente-SP.: FIAET, 24-25, set, 2013. p. 1-13. (CD-ROM).

SKOVSMOSE, O. Educação crítica: incerteza, matemática, responsabilidade. São Paulo: Cortez, 2007.

SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 25, p.5-17. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbedu/n25/n25a01.pdf. Acesso em: 15 abr. 2021.

SZYMANSKI, H. A relação família escola: desafios e perspectivas. 2. ed. Brasília: Líber Livro, 2007.

TOLEDO, M. H. R. de O. As estratégias metacognitivas de pensamento e o registro matemático de adultos pouco escolarizados. 2003. 266f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, FE-USP. São Paulo-SP, 2003.

VERGNAUD, G. Teoria dos campos conceituais. In: Anais... Seminário Internacional de Educação Matemática do Rio de Janeiro, 1., 1993, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UFRJ, 1993. p.1-26. Disponível em: http://odin.mat.ufrgs.br/usuarios/paula/Teoria_do_Campo_Conceitual_G.Vergnaud.pdf. Acesso em: 10 abr. 2021.

Downloads

Publicado

20-07-2023

Como Citar

CIRÍACO, K. T.; ANTUNES, B. C. Interações com Famílias via WhatsApp e as Práticas de Numeramento/Letramento Matemático Evidenciadas no Ensino Remoto . Roteiro, [S. l.], v. 48, p. e30025, 2023. DOI: 10.18593/r.v48.30025. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/30025. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos de demanda contínua