DESCARTE INCORRETO DE MEDICAMENTOS: DIVERSIDADE DE FÁRMACOS DOMÉSTICOS

Autores

  • Aline Correa Trindade UNOESC-Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Kathleen Yanna Weber Fabris UNOESC-Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Elisangela Bini Dorigon UNOESC

Resumo

Introdução: A automedicação reduz a procura no atendimento básico hospitalar, porém essa prática, apresenta um ponto negativo, como a superdosagem ou dosagem insuficiente. A automedicação aumenta o volume de medicamentos vencidos ou em desuso nas residências.  A falta de orientações sobre a logística reversa e um programa eficiente de coleta de medicamentos como anti-hipertensivos, antibióticos, anticoncepcionais, antifúngicos, anti-inflamatórios, antidepressivos promovem complicações ambientais, como a contaminação dos lençóis freáticos solos, água, lagos, rios, oceanos e águas subterrâneas, sendo substâncias altamente tóxicas para o meio ambiente.  Objetivo: O estudo teve por finalidade analisar a diversidade de fármacos armazenados de forma doméstica, descartados incorretamente nos municípios do oeste catarinense. Método: Realizado uma coleta de medicações em gerais nas seguintes datas: entre 21 de agosto e 2 de setembro de 2022. A divulgação da pesquisa ocorreu de diversas formas, pelas secretarias de saúde municipais, sites municipais, instituições de ensino e outros. Nesse período também foram coletados medicamentos próximos do vencimento da validade, vencidos e em desuso de diversas classificações de fármacos como anti-hipertensivos, antibióticos, anticoncepcionais, antifúngicos, anti-inflamatórios, antidepressivos, ente outros nos municípios de Xanxerê, Xaxim, Chapecó, Abelardo luz,  Ipuaçu, Concórdia, Seara, Faxinal dos Guedes, Ouro Verde, São Domingos e Itá. Esta atividade foi realizada pelos alunos de pós-graduação em educação ambiental, a separação e a destinação ocorreu pelos cursos de enfermagem e farmácia  Resultados: Após a separação dos medicamentos, conseguiu se mensurar na totalidade de papel reciclável (caixinhas e bulas) 11583 g, cápsulas 4000 gramas (sem blister), gel vaginal (metronidazol) 50 tubos/50 g - 2500 g, pomadas diversas 92 tubos diversos (lidocaína, fungicidas), antibióticos (amoxicilina) 50 frascos/150ml - 7.500 ml, anticoncepcionais 60 unidades/caixas, 50 injetáveis (compostos por ampola + agulha), 10 pílulas, glicose 50% 10 ml - 200 ampolas 2000 ml, água para injetáveis 180 unidades de 10 ml - 1800 ml, NOPROSIL(cloridrato de metoclopramida) 14 ampolas 2 ml - 28 ml, Alfadornase 30 ampolas de 2,5 ml - 70ml, diversidades: ampolas 103 unidades e sachês 88 unidades, tendo em vista esse resultado com uma grandiosidade de medicamentos é necessário citar a lei n° 18336 de 06/01/2022 que fala sobre a logística reversa, definindo as responsabilidades na destinação dos medicamentos. Deve-se entender que a responsabilidade de destinação final desses medicamentos deve ser compartilhada pelos importadores, fabricantes, distribuidores, comerciantes e consumidores. Conclusão: Infere-se que o descarte incorreto das medicações vencidas e não utilizadas, em desuso, pode gerar contaminações, atingindo diversos segmentos ambientais, por se tratarem de compostos biologicamente ativos, capazes de induzir diversos efeitos colaterais ao organismo, inclusive nos seres humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisangela Bini Dorigon, UNOESC

Biológa, especialista em fitossanidade, e em botânica; Mestre em Ciências da Saúde Humana.

Downloads

Publicado

10-11-2022

Como Citar

Correa Trindade, A., Yanna Weber Fabris, K., & Dorigon, E. B. (2022). DESCARTE INCORRETO DE MEDICAMENTOS: DIVERSIDADE DE FÁRMACOS DOMÉSTICOS. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão, e31613. Recuperado de https://periodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/31613

Edição

Seção

Xanxerê - Pesquisa