UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES DOSAGENS DE NITROGÊNIO NO DESEMPENHO AGRONÔMICO DE MILHO

Autores

  • Sandro de Oliveira UNOESC
  • Analu Mantovani Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Marcio Zilio UNOESC
  • Rafael André Mergener UNOESC
  • Jeferson Zortea Alberti UNOESC
  • Pamela Jaine Ebertz
  • Mayla Cristina de Anhaya Hachmann
  • Júlia Gabriela Moterle UNOESC
  • Letícia Silochi Pereira UNOESC

Resumo

Introdução: A fertilidade do solo é a principal necessidade nutricional para o cultivo do milho, o nitrogênio é o nutriente de maior necessidade para a planta contribuindo para o crescimento e no rendimento de grão. Objetivo: Testar diferentes dosagens de nitrogênio e ver qual apresentaria melhor resultado para chegar a uma dosagem que expressasse o melhor potencial produtivo e lucratividade. Método: O experimento foi conduzido na forma de blocos casualizados, constituído de 6 tratamentos com 4 repetições, com 5 fileiras num espaçamento de 0,60 cm por 6 metros de comprimento, onde o tratamento 1 foi a testemunha sem nitrogênio, e os outros foram em doses crescentes 250kg, 350kg, 400kg, 450kg, 500kg por hectare da fórmula 45-00-00. O experimento foi conduzido a campo. O clima não favoreceu para o melhor resultado, pois na época de aplicação de nitrogênio ocorreu pouca chuva. Durante o experimento foi feito observações fitossanitárias das plantas, onde plantas mais vigorosas apresentaram mais suscetibilidade ao ataque de cigarrinhas apresentando sintomas de diferentes doenças. Foram realizadas análises de comprimento e diâmetro de espigas, número de fileiras por espigas e grãos por fileira e por último feito a massa de 100 grãos. Ao final do experimento foi concluído que o tratamento de 200kg da formulação foi a expressou a maior produtividade.  Resultados: Houve pequena diferença no diâmetro da espiga da testemunha e da dose de 500 kg/ ha-1 de Super N em relação aos outros tratamentos. No comprimento de espigas a testemunha e a dose de 450 kg de Super N ha-1 obtiveram diferença em relação as outras doses. Já no número de fileiras por espiga e números de grãos por fileira não houve diferença significativa. Para a massa de 100 grãos não houve diferença significativa, esse resultado pode ser justificado pela boa precipitação ocorrida no período de enchimento dos grãos, todas as parcelas apresentaram igualdade referente aos grãos. Já a produtividade na testemunha foi a que menos teve rendimento, o pico de produção aconteceu na dose de 200 kg de Super N ha-1, diminuindo significativamente nas outras doses. Conclusão: Ao final do experimento foi concluído que o tratamento de 200kg da formulação foi a expressou a maior produtividade. Economicamente a dosagem de 200kg de N por ha-1 foi a que apresentou a maior lucratividade, e a que se tornou mais rentável, pois foi gasto menos com produto e menos com horas máquinas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Analu Mantovani, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Departamento de Ciências do Solo - Agronomia

Área: Ciências da Vida

Downloads

Publicado

10-11-2022

Como Citar

de Oliveira, S., Mantovani, A., Zilio, M., Mergener , R. A., Zortea Alberti, J., Ebertz, P. J., de Anhaya Hachmann, M. C., Moterle, J. G., & Silochi Pereira, L. (2022). UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES DOSAGENS DE NITROGÊNIO NO DESEMPENHO AGRONÔMICO DE MILHO. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão, e31429. Recuperado de https://periodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/31429

Edição

Seção

Joaçaba - Pesquisa