PRINCIPAIS CAUSAS DIAGNÓSTICOS PARA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL DE ESTUDANTES DAS APAEs DO MEIO OESTE DE SANTA CATARINA

Autores

  • Roberta Alessi Unoesc Joaçaba
  • Guilherme Vilar
  • Anderson Lucas Holanda Montenegro
  • Marcos Freitas Cordeiro
  • Luana Patrícia Marmitt

Resumo

Introdução: A deficiência intelectual é uma condição de difícil caracterização do
ponto de vista conceitual, devido a sua definição muito variada, já que sofre
influência do meio social e cultural. A definição mais aceita atualmente foi
elaborada pela Organização Mundial da Saúde, que considera que "o
retardamento mental refere-se ao funcionamento intelectual geral abaixo da
média, que se origina durante o período de desenvolvimento e está associado a
prejuízo no comportamento adaptativo”. Com base nesse conceito, o estudo
acerca dos diagnósticos etiológicos de pacientes neurológicos percebe-se
relevante sobretudo na região meio-oeste de Santa Catarina, onde a dificuldade
de diagnósticos mais objetivos dificulta o tratamento adequado de cada
condição, levando indivíduos com demandas diferentes a frequentar os mesmos
espaços, como as APAEs (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), sem um
adequado direcionamento das intervenções. Objetivo: Identificar os tipos e a
ocorrência das principais causas diagnósticas para deficiência intelectual dos
alunos matriculados em APAEs dos municípios do meio-oeste catarinense. Método:
Estudo transversal realizado entre os anos de 2020 e 2021 nas APAEs dos municípios
de Abdon Batista, Campos Novos, Capinzal, Celso Ramos e Vargem, das quais
coletou-se informações dos prontuários dos alunos matriculados, tais como idade
em anos completos, sexo, diagnóstico das condições de saúde dos alunos,
classificação da doença pelo código de CID-10, dentre outras condições
constantes no prontuário. Esse trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em
Pesquisa da Universidade do Oeste de Santa Catarina sob o parecer de número
4.431.017. Resultados: Foram investigados 204 alunos, destes a maioria era do sexo
masculino (56,4%), e tinham idade média de 29,6 anos (dp=20,6), variando de 1 à
81 anos. Identificou-se que apenas 42,6% dos alunos possuíam o diagnóstico
etiológico no prontuário (havendo municípios com apenas 29,0% dos prontuários
com esta informação e outros com 58,6%), ou seja, essa informação não estava
presente para 57,4% da amostra. Observou-se que 54,4% das pessoas com menos
de 40 anos possuíam diagnóstico conclusivo, enquanto aqueles com mais de 40
anos, apenas 19,2% possuíam diagnóstico (p<0,001). Dentre aqueles com
diagnóstico etiológico identificado, o mais prevalente foi Síndrome de Down
(26,97%), seguido por Transtorno do espectro autista (14,6%), paralisia cerebral
anóxica (12,4%), anoxia e microcefalia (ambos com 9,0%), dentre outros.
Conclusão: A análise realizada demonstra a relação entre a maior frequência de
diagnósticos diferenciais em pessoas mais jovens, fator que pode estar relacionado
aos avanços nos campos da psiquiatria e da neurologia, como também à grande
necessidade e demanda desses serviços médicos na região meio-oeste
catarinense. Apesar do trabalho realizado nas APAEs ser de extrema importância
para o desenvolvimento dos pacientes que apresentam graus de deficiência
variados, entende-se que diagnósticos diferenciais são fundamentais para que os
alunos não se tornem dependentes a longo prazo desse serviço. Dessa forma, com
a união dessas duas ferramentas, os pacientes terão acesso a tratamentos
direcionados a seus reais transtornos e síndromes e uma melhor integração social,
melhorando, assim, a qualidade de vida.
Palavras-chave: Diagnóstico. Deficiência Intelectual. Fatores socioculturais.
Contato: Roberta Alessi (roberta_alessi@unoesc.edu.br); Guilherme Vilar
(guilherme.vilar@unoesc.edu.br)
Agradecimentos: A autora Roberta Alessi agradece ao Governo de Santa Catarina pela
concessão de bolsa UNIEDU, aos professores orientadores Luana Marmitt e Marcos Cordeiro,
as Apaes dos municípios consultados e ao colega autor desse resumo, Guilherme Vilar, pela
sua disponibilidade; o autor Guilherme Vilar a todos os envolvidos nesse projeto de pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

10-11-2022

Como Citar

Alessi, R., Vilar, G., Montenegro , A. L. H., Cordeiro, M. F., & Marmitt, L. P. (2022). PRINCIPAIS CAUSAS DIAGNÓSTICOS PARA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL DE ESTUDANTES DAS APAEs DO MEIO OESTE DE SANTA CATARINA. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão, e31085. Recuperado de https://periodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/31085

Edição

Seção

Joaçaba - Pesquisa