ESTUDO RETROSPECTIVO QUANTITATIVO DAS ESPÉCIES MAMÍFERAS DOMÉSTICAS NECROPSIADAS ENTRE OS ANOS DE 2017 E 2021 NO LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DA CLÍNICA VETERINÁRIA ESCOLA DA UNOESC DE SÃO MIGUEL DO OESTE

Autores

  • Mateus Tadeus Theisen
  • Mauricio Turcatto
  • Andressa Grazziola
  • Edmilson Rodrigo Daneze Unoesc/Professor

Resumo

Introdução: A necropsia é considerada o exame padrão-ouro em diagnostico post-mortem, sendo importante para confirmar, negar, esclarecer, modificar ou estabelecer um diagnóstico e minimizar os diagnósticos equivocados e imprecisos. Os serviços de necropsia veterinária, além de serem uma importante ferramenta de estudo continuado, fornecem informações complementares para a epidemiologia, medindo a situação de saúde animal de uma comunidade, e para  a orientação de veterinários e proprietários. Objetivo: A finalidade do presente trabalho foi realizar um estudo retrospectivo quantitativo das espécies mamíferas domésticas necropsiadas entre os anos de 2017 e 2021 no Laboratório de Patologia Veterinária da Clínica Veterinária Escola da UNOESC de São Miguel do Oeste. Método: Foi realizado um levantamento retrospectivo quantitativo baseado na casuística de necropsia de mamíferos domésticos realizadas no Laboratório de Patologia Veterinária da Clínica Veterinária Escola da UNOESC/SMO abrangendo o período de 2017 a 2021. Para esse levantamento foram consideradas apenas as necropsias realizadas em caninos, felinos, bovinos, suínos e ovinos.  Resultados: Durante o período estabelecido foram realizadas 198 necropsias das espécies consideradas para compor o levantamento. Com relação a evolução anual, em 2017 foram realizadas 36 (18,2%) necropsias, 48 (24,2%) em 2018, 41 (20,7%) em 2019, 21 (10,6%) em 2020 e 52 (26,3%) em 2021. Do total de necropsias realizadas no período, 132 (66,7%) foram de caninos, 33 (16,7%) de felinos, 22 (11,1%) de bovinos, 7 (3,5%) de suínos e 5 (3,5%) de ovinos. Em 2017 foram necropsiados 29 (80,5%) caninos, 4 (11,1%) felinos, 2 (5,5%) bovinos e 1 (2,8%) suíno; em 2018, 36 (75%) caninos, 5 (10,4%) felinos, 4 (8,3%) bovinos, 1 (2,1%) suíno e 2 (4,2%) ovinos; em 2019, 29 (70,7%) caninos, 1 (2,4%) felino, 10 (24,4%) bovinos e 1 (2,4%) ovino; em 2020, 9 (42,8%) caninos, 8 (38,1%) felinos e 4 (19,1%) bovinos; em 2021, 28 (53,8%) caninos, 15 (28,8%) felinos, 2 (3,8%) bovinos, 5 (9,6%) suínos e 2 (3,8%) ovinos. Com relação ao sexo dos animais, dos caninos, 57 (43,9%) eram machos e 74 (56,1%) fêmeas; dos felinos, 11 (33,3%) machos e 22 (66,7%) fêmeas; dos bovinos, 5 (22,7%) machos e 17 (77,3%) fêmeas; dos suínos, 6 (85,7%) machos e 1 (14,3%) fêmea; dos ovinos, 2 (40%) machos e 3 (60%) de fêmeas.  Conclusão: Podemos verificar que, excluindo-se o ano de 2020 auge da pandemia de Covid-19, houve uma evolução gradual na quantidade de necropsias de espécies domésticas realizadas pelo laboratório. A espécie mais necropsiada em todos os anos foi a canina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Tadeus Theisen

Discente do Curso de Medicina Veterinária, Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), campus de São Miguel do Oeste

Mauricio Turcatto

Discente do Curso de Medicina Veterinária, Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), campus de São Miguel do Oeste

Andressa Grazziola

Discente do Curso de Medicina Veterinária, Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), campus de São Miguel do Oeste

Downloads

Publicado

10-11-2022

Como Citar

Theisen, M. T., Turcatto, M., Grazziola, A., & Daneze, E. R. (2022). ESTUDO RETROSPECTIVO QUANTITATIVO DAS ESPÉCIES MAMÍFERAS DOMÉSTICAS NECROPSIADAS ENTRE OS ANOS DE 2017 E 2021 NO LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DA CLÍNICA VETERINÁRIA ESCOLA DA UNOESC DE SÃO MIGUEL DO OESTE. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão, e31948. Recuperado de https://periodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/31948

Edição

Seção

São Miguel do Oeste - Ensino