DIREITO À EDUCAÇÃO E DESIGUALDADES SOCIAIS: PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA E O ACESSO AS TECNOLOGIAS.

Autores

  • Emily Reichert UNOESC
  • Thaís Janaina Wenczenovicz

Resumo

Introdução: A desigualdade social ao Direito à Educação é o que centraliza o
projeto. O foco são alunos da Educação Básica e suas interlocuções com as
tecnologias. Sabe-se que a educação é um direito positivado e também um direito
humano, como trás o artigo 6º da Constituição Federal. Assim pode-se afirmar que a
educação é direito de todos e dever do Estado. Objetivo: Ponderar as dificuldades
existentes em relação ao direito a educação em face das desigualdades sociais e
do acesso as tecnologias Método: O item fundamental para o desenvolvimento do
projeto é o da pesquisa bibliográfica, sendo feitas leituras e coleta de informações
acrescidas de bancos de dados como do Ministério da Educação, INEP, IBOPE,
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE) entre outros. Pesquisas estas, voltadas a desigualdade social, direito
á educação a ao acesso dos discentes e docentes à tecnologia. Resultados:
Importante destacar que a busca e análise de dados tem proporcionado resultados
ampliados na busca dos problemas sociais que entornam a sociedade brasileira.
Sabe-se que muitas pessoas ainda não possuem um acesso à educação de
qualidade e que parte da população brasileira ainda é analfabeta. Grande parte
dos indivíduos são prejudicados por morarem foda da área urbana, o que acaba
dificultando o acesso às escolas. Algumas instituições, principalmente as públicas e
comunitárias, não possuem o acesso á tecnologia que hoje é considerado de
extrema importância em todos os âmbitos sociais. Em 2021, cerca de 244 mil cranças
e adolescentes entre 6 e 14 anos estão fora das escolas. Isso fez com que a
porcentagem de jovens entre 15 e 17 anos matriculados em instituições de ensino
como o EJA aumentasse. Após a chegada do Covid-19, muitas crianças e
adolescentes saíram prejudicados por não possuírem acesso às tecnologias
essenciais para continuar com os estudos de forma remota, e além disso, muitas
instituições suspenderam suas aulas por um grande período de tempo, ou seja, estes
indivíduos ficaram sem aprender, tanto de forma remora quanto de forma
presencial, gerando consequências preocupantes, como por exemplo o atraso na
leitura e na escrita das crianças. Visto todo tempo perdido, as instituições ainda estão
em processo de reestabelecimento e readequação. Conclusão: Não obstante, pode-se observar através de dados que o Brasil ainda nos dias atuais possui um
grande déficit em relação ao quesito educação, seja pela desigualdade social ou
seja pela qualidade de ensino ofertada aos alunos. É de extrema importância que a
população brasileira receba uma qualidade de ensino melhor, para que assim,
possam ter mais profssionais qualificados, não só no quesito educação mas também
no quesito tecnologia. Os docentes precisam vir a evoluir junto ao mundo, e
aprimorar cada vez mais seus meios de ensinamentos. Implementação de escolas
em àreas rurais e fornecimento de tecnologias diversas em escolas de rede pública,
é a mais visível solução para a maioria dos problemas. Assim, a população ficará
mais perto do que é seu por direito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

10-11-2022

Como Citar

Reichert, E., & Wenczenovicz, T. J. (2022). DIREITO À EDUCAÇÃO E DESIGUALDADES SOCIAIS: PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA E O ACESSO AS TECNOLOGIAS. Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão, e32060. Recuperado de https://periodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/32060

Edição

Seção

Joaçaba - Pesquisa