ENSINO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO E INSERÇÃO SOCIAL DE IMIGRANTES NA REGIÃO DE ABRANGÊNCIA DA UNOESC VIDEIRA

Autores

  • Isis Manfroi Pelegrinello Universidade do Oeste de Santa Catarina Campus Videira - UNOESC
  • Magali Beatriz Augusto
  • Sueli Perazzoli Trindade

Resumo

No contexto atual da sociedade as ondas migratórias fazem parte da história da humanidade, provocadas por questões geológicas, ambientais, políticas e/ou beligerantes. Migrar para um território em busca de direitos humanos básicos não se torna fácil, a possibilidade de permanecer por um longo prazo, acaba transformando as expectativas e esperanças em trabalhar, se fixar, estudar e estabilizar sua condição profissional e financeira. Os imigrantes vivenciam mudanças significativas em contato com outro contexto sociocultural, dialogar em uma nova língua  torna-se uma necessidade indispensável, já que isso potencializa a integração e viabiliza o aperfeiçoamento das competências interpessoal, comunicativa e linguística.  O objetivo deste estudo foi promover a inserção dos imigrantes no mercado de trabalho por meio do ensino de português como língua de acolhimento e inserção social.A metodologia aplicada foi quanti- qualitativa com abordagem participante. Sendo assim,  qualitativa  no aspecto da análise de dados coletados no diário de bordo visando a interpretação. E quatitativa com questionários de acordo com o contexto do ambiente do locus pesquisado, coleta de informações, estruturados e padronizados, com questões abertas e fechadas. A pesquisa foi realizada no CEJA- Centro de Educação Jovens e Adultos.  Os dados obtidos demonstraram dentre o público-alvo atingido ocorre a predominância do gênero masculino onde 66,7% é masculino e 33,3% feminino, sendo que 56,6% possuem o ensino médio completo, 22,2% superior completo e 22,2% ensino fundamental II completo e dos entrevistados  100% possuem o interresse em realizar ensino superior. O que nos chama a atenção é que desses participantes 66,6% compreendem bem o português quando falado pausadamente, 55,6% quando falado pausadamente falam bem o português, 88,9% leem bem o português  e 77,8 escreve bem o português. Concluimos que os participantes da pesquisa procuram a inserção no pais em que estão estabelecidos, por meio do seu trabalho e estudos, tem o desejo de realizar cursos de qualificação e superior, e enfatizam que a escolaridade contribui na vida profissional e pessoal dos imigrantes. Além disso, grande parte possui família em seu pais de origem e tem o desejo de trazê-los para o Brasil em busca de qualidade de vida. Nesse contexto a solução para aumentar os índices de escolaridade e acolhimento dos imigrantes esta no incentivo a qualificação profissional, mas também na mediação para ajudá-los a encontrar os meios de conseguir de qualificação, quanto maior a assecibilidade de informação, maioro índice de imigrantes estudando. Portanto, a relevância desta pesquisa esta no ensino da lingua portuguesa como acolhimento e inserção social dos imigrantes, visando novas oportunidades de acesso a formação, profissional e pessoal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

10-11-2022

Como Citar

Manfroi Pelegrinello, I., Augusto, M. B., & Perazzoli Trindade, S. (2022). ENSINO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO E INSERÇÃO SOCIAL DE IMIGRANTES NA REGIÃO DE ABRANGÊNCIA DA UNOESC VIDEIRA . Seminário De Iniciação Científica E Seminário Integrado De Ensino, Pesquisa E Extensão, e31485. Recuperado de https://periodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/31485

Edição

Seção

Videira - Extensão