Perfil clínico-epidemiológico dos acidentes ofídicos no município de Anápolis-Goiás de 2012 a 2019

Autores

  • Tatiana Braga Barbosa Ribeiro Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA
  • Fábio Henrique dos Santos Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA
  • Danilo da Silva Pacheco Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA
  • Ana Célia Costa Matos Silva Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA
  • Eduarda Arantes Gonçalves Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA
  • Mirlene Garcia Nascimento Vigilância Epidemiológica de Anápolis - GO
  • Constanza Thaise Xavier Silva Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA https://orcid.org/0000-0003-0980-9343

DOI:

https://doi.org/10.18593/evid.30938

Palavras-chave:

Ofidismo, Serpente, Mordeduras de Serpentes, Epidemiologia descritiva

Resumo

Objetivo: descrever o perfil clínico – epidemiológico dos acidentes ofídicos em Anápolis-GO, no período de 2012-2019 Métodos: Trata-se de estudo descritivo, com dados de fichas de notificação de acidentes por animais peçonhentos (serpentes) cadastradas no Departamento de Vigilância Epidemiológica. Resultados: foram notificados 572 casos no período; a maior frequência de casos foi no sexo masculino (78,8%); entre a faixa etária de 21-40 anos (34,1%); ocorrendo entre dezembro e abril (53,7%); causados pelo gênero Bothrops (65,2%); os acidentes levaram em torno de 1 a 3 horas até o atendimento (42,1%); as picadas prevaleceram-se em membros distais (88,4%); a cura foi a mais prevalente (97,7%) e 0,4% vieram a óbito pelo acidente. Conclusão: observou-se nesse estudo um importante impacto da sazonalidade e espera-se que os dados inéditos da casuística obtida possam servir de substrato para o planejamento e execução de medidas voltadas para vigilância em saúde e atendimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Braga Barbosa Ribeiro, Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA

Discente do curso de medicina da Universidade Evangélica de Goiás. 

Fábio Henrique dos Santos , Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA

Discente do curso de medicina da Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA

Danilo da Silva Pacheco , Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA

Discente do curso de medicina da Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA

Ana Célia Costa Matos Silva , Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA

Discente do curso de medicina da Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA.

Eduarda Arantes Gonçalves , Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA

Discente do curso de medicina da Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA

Constanza Thaise Xavier Silva, Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA

Docente do curso de medicina da Universidade Evangélica de Goiás- UniEVANGÉLICA. 

Referências

Silva AM, Bernarde PS, Abreu LC. Accidents with poisonous animals in Brazil by age and sex. Journal of Human Growth and Development. 2015;25(1):54-62.

Machado, C. Acidentes ofídicos no Brasil: da assistência no município do Rio de Janeiro ao controle da saúde animal em instituto produtor de soro antiofídico. [tese]. Rio de Janeiro: Instituto Oswaldo Cruz, Curso de Medicina Tropical; 2018.

Costa HC, Guedes TB, Bérnils RS. Lista de répteis do Brasil: padrões e tendências, Herpetologia Brasileira. 2021;10(3):114-115.

Leis LV, Chebabo A. Diretrizes Diagnósticas de Acidentes com Animais Peçonhentos. Departamento de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro; 2016.

Nascimento JLM, Espíndola MF, Azevedo DRM. Epidemiologia dos acidentes com animais peçonhentos registrados no estado de Goiás entre os anos de 2007 e 2017. Rev. Educação em Saúde. 2019;7(2):47-54.

Gutiérrez JM, Calvete JJ, Habib AG, Harrison RA, Williams DJ, Warrell DA. Snakebite envenoming. Nat Rev Dis Primers. 2017;3(17063):1-20.

Bernarde, PS. Serpentes peçonhentas e acidentes ofídicos no Brasil. Curitiba: Anolisbooks; 2014.

Neiva, IGA. Perfil epidemiológico dos acidentes ofídicos em humanos na região Centro-Oeste do Brasil de 2012 a 2016. [trabalho de conclusão de curso]. Gama-DF: Centro Universitário do Planalto Central Aparecido dos Santos, Curso de Medicina Veterinária; 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística[Internet]. Panorama de Anápolis [citado em 2022 jul 12]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/anapolis/panorama.

Instituto Nacional de Meteorologia (BR). Boletim Climatológico São Paulo: Balanço do verão e Prognóstico para outono 2018 [citado em 2022 Maio 15]. Disponível em: http://abccriadores.com.br/images/upload/previsao-190318.pdf.

Instituto de Engenharia (BR). NASA anuncia que 2018 foi o quarto ano mais quente da história. 2019 [citado em 2022 Maio 7]. Disponível em: https://www.institutodeengenharia.org.br/site/2019/02/07/nasa-anuncia-que-2018-foi-o-quarto-ano-mais-quente-da-historia/#.

Silva JH, Giansante S, Silva RCR, Silva GB, Silva LB, Pinheiro LCB. Perfil epidemiológico dos acidentes com animais peconhentos em Tangará da Serra – MT, Brasil (2007-2016). Journal Health Npeps. 2017;2(1):5-15.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Acidentes de trabalho por animais peçonhentos entre trabalhadores do campo, floresta e águas, Brasil 2007 a 2017. 2019;50(11):1-14.

Silva MVR, Araújo AM, Martins BS, Oliveira SV. Acidentes ofídicos em Catalão, Goiás, Brasil. Revista Saúde e Meio Ambiente. 2020;11(2):140-148.

Melo PA, Maqui ONC. Aspectos epidemiológicos de acidentes ofídicos registrados no Estado do Acre, Brasil, entre 2013-2017: um estudo ecológico. Hygeia – Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. 2020;16: 174-187.

D'agostini FM, Chagas FB, Beltrame V. Epidemiologia dos acidentes por serpentes no Município de Concórdia, SC no período de 2007 a 2010. Revista Evidência: Biociências, Saúde e Inovação. 2011;11(1):51-60.

Ceron K, Bernarde PS, Sestito GA, Zocche JJ. Acidentes ofídicos no estado de Santa Catarina, Brasil. Oecologia Australis. 23(1):56-65, 2019.

Ministério da Saúde (BR). Estado de Goiás. Secretaria de Estado da Saúde. Boletim Epidemiológico – Acidentes Por Animais Peçonhentos Hospital de Doenças Tropicais (2017). 2018;1(1):1-8.

Baldassin JCS, Francisco SR, Silva RW, Moura RF, Pombo APMM. Perfil epidemiológico e dinâmica da distribuição dos acidentes ofídicos em humanos no estado de São Paulo. Hygeia – Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. 2021;17:216-226.

Pinho FMO, Oliveira ES, Faleiros F. Acidente ofídico no Estado de Goiás. Revista da Associação Médica Brasileira. 2004;50(1):93-96.

Saraiva MG, Oliveira DS, Filho Fernandes GMC, Coutinho LASA, Guerreiro JV. Perfil epidemiológico dos acidentes ofídicos no Estado da Paraíba, Brasil, 2005 a 2010. Epidemiol. Serv. Saúde. 2012;21(3):449-456.

Campbell JA, Lamar WW. The Venomous Reptiles of the Western Hemisphere Comstock Publishing Associates. Cornell University Press, Ithaca e Londres; 2004.

Wen FH, Monteiro WM, Silva AMM, Tambourgi DV, Silva IM, Sampaio VS, et al. Snakebites and scorpion stings in the brazilian amazon: identifying research priorities for a largely neglected problem. PLoS Negl Trop Dis. 2015;9(5):e0003701.

Bernarde, PS. Ofidismo no estado do Acre–Brasil. Journal of Amazon Health Science. 2015;1(2):44-63.

Saraiva MG, Oliveira DS, Filho Fernandes GMC, Coutinho LASA, Guerreiro JV. Perfil epidemiológico dos acidentes ofídicos no Estado da Paraíba, Brasil, 2005 a 2010. Epidemiol. Serv. Saúde. 2012;21(3):449-456.

Silva AM, Colombini M, Silva AMMD, Souza RM, Monteiro WM, Bernarde PS. Epidemiological and clinical aspects of snakebites in the upper Juruá River region, western Brazilian Amazonia. Acta Amazonica. 2020;50(1):90-99.

Parise EV. Vigilância e monitoramento dos acidentes por animais peçonhentos no município de Palmas, Tocantins, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. 2016;12:72-87.

Leite, JEF. Epidemiologia dos acidentes ofídicos notificados pelo Centro de Assistência e Informação Toxicológica da Paraíba (CEATOX-PB), 2011 a 2012 [trabalho de conclusão de curso]. João Pessoa-PB: Universidade Federal da Paraíba, Faculdade de Farmácia; 2013.

Downloads

Publicado

22-12-2022

Como Citar

Braga Barbosa Ribeiro, T., dos Santos , F. H., Pacheco , D. da S., Silva , A. C. C. M., Gonçalves , E. A., Garcia Nascimento, M., & Silva, C. T. X. (2022). Perfil clínico-epidemiológico dos acidentes ofídicos no município de Anápolis-Goiás de 2012 a 2019. Evidência, 22(2), 85–94. https://doi.org/10.18593/evid.30938

Edição

Seção

Saúde